Alentejo: Rede tecnológica reformulada devido ao corte de fundos comunitários do InAlentejo

Alentejo: Rede tecnológica reformulada devido ao corte de fundos comunitários do InAlentejo

Sexta-feira, 06 Julho 2012
Alentejo
A rede regional de transferência de tecnologia, que inclui o Parque de Ciência e Tecnologia em Évora, foi reformulada.
Em causa está a redução, para cerca de metade, dos 30 milhões de euros de fundos comunitários do InAlentejo.

Nesse sentido, segundo o vice-reitor da Universidade de Évora, Manuel Cancela d’Abreu, foi necessário reformular os vários projeto, entre os quais o Parque de Ciência e Tecnologia em Évora.
Adiamos a construção de “um edifício grande onde iríamos localizar alguns laboratórios que visavam trabalhar sobretudo com empresas”, adiantou o responsável.
“Vamos tentar adquirir os equipamentos necessários e a colocá-los, para já, nos laboratórios da universidade”, acrescentou.
Ainda assim, o vice-reitor da UÉvora assinalou que se mantém a construção do edifício central do Parque de Ciência e Tecnologia, que vai incluir espaços para as empresas que se queiram instalação e o respetivo serviço de apoio.
Apesar dos cortes, Manuel Cancela d’Abreu considerou que, tanto o SRTT como o parque “não perdem de vista os seus objetivos”, mas avançam com “um pouco menos de capacidade de intervenção” do que o inicialmente previsto.
O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, António Dieb, confirmou à DianaFm o corte de cerca de 15 milhões de euros que estavam “alocados” ao sistema, adiantando que esta verba vai ser aplicada em “estímulos às empresas e à criação de emprego” na região.
Considerando que sistema é “absolutamente estratégico”, o responsável salientou, no entanto, que, devido à reafetação de verbas e ao “tempo decorrido”, “houve necessidade de fasear o investimento, propondo-se uma execução em torno dos 15 milhões de euros”.
O presidente da CCDR indicou que ficou estabelecido o compromisso de, a partir de 2014, se fazer “um novo investimento para terminar o projeto”, já “com verbas do próximo quadro comunitário” ou com dinheiros “do atual QREN de projetos que não avancem”.
O Sistema Regional de Transferência de Tecnologia, que envolve 21 parceiros, pretendia investir no Alentejo e Lezíria do Tejo quase 42 milhões de euros, dos quais cerca de 30 milhões eram de fundos comunitários do Programa Operacional InAlentejo.

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com