Estruturas do Alentejo lançam manifesto em defesa da cultura na região

Estruturas do Alentejo lançam manifesto em defesa da cultura na região

Terça-feira, 19 Novembro 2019
Alentejo

Catorze estruturas artísticas lançaram um manifesto em defesa da cultura no Alentejo e exigem o aumento da dotação orçamental para a região.

“O contexto atual requer medidas políticas e financeiras urgentes e, por isso, exigimos o aumento da dotação orçamental para a cultura no Alentejo de forma a que todas as candidaturas sejam apoiadas e que, nesta região, se cumpra o direito de acesso à cultura de todos os cidadãos”, afirmam os subscritores do manifesto.

O documento assinala que “esta reivindicação pressupõe também o aumento da dotação orçamental para a cultura em termos globais”.

No manifesto, as catorzes estruturas referem que “uma vez mais a região do Alentejo foi penalizada na distribuição do investimento público para as artes”.

“Esta situação empobrece e, em alguns casos, contribui para o desaparecimento dos poucos artistas e/ou projetos, tanto estruturais como recentes, no território alentejano, com consequências gravosas para os cidadãos e o seu justo direito à fruição cultural e artística”, advertem.

Para os promotores do manifesto, o resultado provisório dos Apoios Sustentados da Direção-Geral das Artes 2020-21 evidencia “o desinvestimento na cultura e na arte produzida num território que corresponde a 1/3 da totalidade do território nacional”.

“A ocorrer alguma discriminação no Alentejo, esta tem de ser positiva”, alertam.

Este manifesto é promovido e tem como primeiros subscritores A Bruxa Teatro, Algures, Alma D’Arame, BAAL 17, CENDREV, Companhia de Dança Contemporânea de Évora, Eborae Musica, Marvão Music, Musibéria, Oficinas do Convento, Lendias d’Encantar, Projecto Ruínas, Um Colectivo, Associ’arte Évora.

Comments are closed.