1414 – A Velocidade Mata

Crónica GARE
Terça-feira, 14 Maio 2019
1414 – A Velocidade Mata
  • Na Estrada em Segurança

 

Este fim de semana, por motivos familiares, fiz cerca de 1200 km de viagem nas nossas estradas.
Quando regressei a Évora, após a viagem, dei comigo a pensar que durante estes 1200 Km, não me tinha cruzado por nenhum local onde tivesse ocorrido um sinistro, pouco tempo antes de eu lá passar.
Uma sensação muito boa, mas que infelizmente durou pouco tempo pois rapidamente percebi que era uma sensação falsa.
Sentei-me ao computador e rapidamente percebi porquê.
Destes 1200 km de viagem, perto de 900 foram feitos em autoestrada e apenas 300 em estradas nacionais.
Tomando como exemplo o ano de 2017, dos 34 410 sinistros com vítimas, apenas 1921 ocorreram em autoestradas, isto é, apenas cerca de 5,6%, verificando-se que as autoestradas, permitindo velocidades superiores, têm um índice de sinistralidade baixo.
No entanto, e dando uma vez mais razão à máxima que sempre usámos, a velocidade mata, os sinistros ocorridos em autoestrada, têm índice de gravidade na ordem de 2,3, superior ao índice de gravidade dos sinistros em arruamentos urbanos ou estradas municipais que foi em 2017, respetivamente 0,7 e 1,7.
Pior que as autoestradas, são todas as outras vias, as estradas nacionais, as IPs e os ICs, as estradas florestais, as variantes, etc, que chegam a atingir índices de gravidade da ordem de 4,2.
Cuidado com a velocidade.

Até amanhã