30 por 30

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 23 Dezembro 2022
30 por 30
  • Glória Franco

 

 

Viva

Terminou, em Montreal (Canadá), a COP 15, conferência da ONU sobre a Biodiversidade e a sustentabilidade do nosso planeta.

Com uma diminuição de animais selvagens, estimada em cerca de 60% e com a população mundial a ultrapassar os oito mil milhões, o alarme está dado. A juntar a isto, a insegurança alimentar, a catástrofe climática e a irracionalidade do sistema capitalista, aceleram a degradação da vida e a escassez de recursos tão necessários a viabilidade da vida na Terra.

É cada vez mais urgente saber cuidar e conservar os habitats.

Tendo como uma das metas a preservação e reconversão de 30% dos ecossistemas e, quando possível a sua recuperação, até 2030 (30 por 30) a COP 15 pretendeu sensibilizar todos os governantes e população em geral, para o drama que temos em mãos.

Sob a presidência da China (imagine-se a incongruência), esta conferência propôs-se atenuar o impacto das alterações climáticas. As palavras continuam a jorrar em todas as direções, mas as ações continuam por concretizar. Em teoria este objetivo é um bom avanço, mas na prática, as decisões políticas têm de mostrar coragem, para que se possam cumprir os objetivos aprovados. O financiamento de soluções alternativas implica possibilitar que as populações possam viver em áreas protegidas sem as danificar. Temos de ser capazes de tratar a emergência da Natureza sem pôr em causa as pequenas economias locais. No campo da sensibilização muito está ainda por fazer.

Uma grande Aliança Verde é urgente para se tentar recuperar alguns dos ecossistemas em perigo. Para a Humanidade sobreviver, não é possível fazê-lo sem um planeta saudável. Mudanças transformadoras, quer ao nível das ações, quer ao nível das mentalidades, poderão contribuir para reverter alguma da destruição a que temos assistido. Lento será o trabalho de reconversão que nos espera; a reflorestação leva anos a repor, pois estas mostram-se menos apressadas que o Homem. Progressivamente os espaços agrícolas estão a ser reduzidos dando lugar a culturas intensivas de olivais e de arvores de rápido crescimento que podem colocar em causa o nosso futuro. Quebrar este ciclo é vital, a economia tem de se saber compatibilizar com a sustentabilidades. Os problemas há muito que estão identificados, só as vontades se adiam.

Apenas uma espécie está a colocar o Planeta em perigo, apenas uma espécie está a contribuir para a destruição de todas as outras; e esta espécie é a única pensante.

Sendo os recursos biológicos um dos pilares da civilização, e estando estes em rápido declínio, que futuro nos espera?

Saudações LIVRE’s

Até para a semana

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com