Aí está!

Crónica de Opinião
Quinta-feira, 16 Março 2023
Aí está!
  • Nuno do Ó

 

Aí está! A maravilha do liberalismo, quer dizer, do capitalismo ainda mais selvagem, está de volta, no seu epílogo cíclico e natural, que nos visita regularmente, para que não tenhamos a veleidade de tirar a cabeça de fora.

É um ciclo natural de exploração de uma parte da humanidade por outra, para o que inventaram este sistema maravilhoso, que dá pelo nome pomposo de capitalismo neoliberal, que de alguma forma representa o pior do nosso mais profundo ser, a face mais animal e irracional do Homem, da vontade do mais forte, muito longe do Homo sapiens que esperávamos ser.

Assim se explica que a maioria da humanidade aceite, vote e decida no sentido de facilitar, permitir e até promover a exploração dessa mesma grande maioria que verdadeiramente trabalha e produz. Os outros 1% que se dedicam no mais à especulação e à exploração, só assistem à festa e à boa vontade de todo o planeta, que aceita este estado de coisas, impávida e serena. É essa a verdadeira pobreza, aquela que não só, não tem, como aceita e até promove a sua injusta realidade.

80% da riqueza criada no mundo vai parar às mãos dos mais ricos e assim, temos assistido a um aumento histórico no número de multimilionários no mundo. Serão duas mil pessoas no planeta. A sua riqueza aumentou cerca de 600 mil milhões de euros, uma verba suficiente para acabar em mais de 7 vezes com a pobreza extrema no mundo, que por sua vez, se propaga pelo planeta, como um vírus contagioso.

É assim que um qualquer magnata norte-americano, pagará cerca de 3% de impostos, enquanto, no lado oposto, um vendedor de farinha no Uganda, que ganha 74 euros por mês, pagará uma taxa de imposto de 40%. É assim que 5% dos portugueses concentram metade da riqueza do nosso país e é assim que os que exploram e especulam, num efeito de enriquecimento cíclico de pirâmide, assistem sentados à derrocada do castelo de cartas, mais do que avisados e preparados para o efeito, para voltar a baralhar e dar de novo, porque como sempre, a malta vai pagar… por causa, naturalmente, das consequências nefastas no sistema bancário e porque ao contrário de qualquer outra empresa, estas não devem falir. Para isso contarão sempre com os governos e a população trabalhadora, os outros generosos 80%.

E é assim que cá estamos mais uma vez, desta feita com a falência do banco “entre aspas” regional norte-americano, Silicon Valley Bank. Entre aspas, porque regional, ainda assim, significa que é o 16.º maior banco dos Estados Unidos, coisa pouca, com ativos, também “entre aspas”, que ascendem a 180 mil milhões de euros, um valor equivalente ao PIB do Catar.

15 anos depois da crise financeira de 2008, cá temos novamente a soar os sinais de alarme nos mercados, essas entidades que ninguém sabe quem são, mas que se sabe que irão perder muito do que emprestaram às suas apostas. Já se soube que não deverá haver consequências graves desta situação, em declarações da gente importante do costume, o que quer dizer, mantenham-se os pagadores calmos, enquanto salvamos os do costume. Lá se vão as startups e as criptomoedas com que tentaram aliciar os ricos dos pobres, para gastar os poucos excedentes que pudessem ter e que já estão nos bolsos certos… e claro, porque a malta tem de pagar tudo isto aos tais 1%, teremos que conter a inflação, daí que os bancos centrais encareçam o dinheiro, para pagarmos mais e para compensar as perdas… para a desgraça dos mais pobres, claro está, porque para quem recebe um ordenado estilo da TAP ou outro no género, nem sei como irão resolver esta subida de preços e de juros e de tudo o resto.

Diria José Mário Branco, no seu famoso texto, FMI (…) Tudo corre bem, a ver quem se vai abotoar com os 25 tostões de riqueza que tu vais produzir amanhã nas tuas oito horas, a ver quem vai ser capaz de te convencer de que a culpa é tua e só tua se o teu salário perde valor todos os dias (…)

E assim este será o ponto de partida para mais uma crise financeira internacional, para voltarmos a entregar o nosso trabalho aos impérios monetários do costume. A Reserva Federal Americana e o Banco Central Europeu já estão em campo e irão fazer tudo para ajudar os multimilionários.

Isto é assim, é o liberalismo, que é como quem diz, o salve-se quem puder, quem tiver a melhor informação, os melhores contactos, ou seja, os tais multimilionários.

Acordai!

Até para a semana!

 

 

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com