As borlas

Crónica de Opinião
Terça-feira, 28 Fevereiro 2017
As borlas
  • Cláudia Sousa Pereira

 

 

Esta história mal contada dos offshores descontrolados na legislatura passada lembrou-me o curioso processo das “borlas”. Não aquele enfeites pendentes de fios de lã, nem a sinédoque que dá o nome ao todo de certos barretes ou insígnias doutorais. Falo mesmo daqueles serviços ou coisas que têm um preço mas que se conseguem obter sem pagar.

A borla é irmã da cunha. Mais pobre, é certo, porque pressupõe que não haja dinheiro envolvido, ao contrário da cunha que se vale tantas vezes de um outro rico produto-metáfora: a luva. Enfim, tipos de procedimento que desde que existe consciência social do poder, e isso já foi há muito, muito, tempo, terá sido praticado, mesmo quando poder vai variando os seus sinónimos figurados, desde o lugar político numa instituição, ao favorzinho de deixar passar à frente e à sorrelfa dos que se organizam numa fila de caixa de supermercado.

A borla acaba por ser uma prática tão malandra como a cunha, e revela um grau invejável de coesão social pois atravessa posições e bolsos de várias estaturas e envergaduras, mantendo-se por mais pequena que seja como um aleijão, ou pronto vá lá, uma mossazinha de carácter num sentido indisfarçavelmente democrático. E atenção que também não falo de favor. Os favores são legítimos, passam por um processo de avaliação de activos e passivos que os praticam, e em que não haverá terceiros prejudicados. É uma coisa que sendo assim mais íntima é, se calhar até por isso, um sinal de gentileza reflectido nas formas com que nos dirigimos, simpaticamente e com educação, aos outros.

E se em todo este tipo de processos malandros ninguém fica bem numa perspectiva de formação de carácter, normalmente até servem para ir corroendo o sistema em que se praticam e onde se finta a lei, a regra ou até só mesmo a boa-prática de convívio e camaradagem. Às vezes nós nem damos conta disto enquanto prática desviante porque se instala como prática dominante e quem não age assim é porque é parvo. Outras vezes gozamos de fora este tipo de situações e exclamamos que estão bem uns para os outros, ou que só se estragou uma família. Enfim, quem vai à missa e acredita na redenção pela confissão terá de admitir que não é coisa que se faça, isto de reclamar excepções para si, prejudicando o próximo. Pode acontecer-lhe como ao Frei Genebro do conto do Eça de Queiroz, que eu, já agora, recomendo como leitura para amanhã, Quarta-feira de Cinzas.

Mas o que acaba por me chocar ainda mais nesta banalização do mau comportamento cívico, nesta generalização que leva boas almas a serem arrastadas numa onda de desatenção até mais do que de indiferença, é o requinte de algumas pessoas que tão bem lidam com estes assuntos. Como se sabe, quem faz o bem não olha a quem, e estas malandrices passam mais despercebidas quando quem pede e que facilita se remete a uma discrição espertalhona. O que já me espanta é que se engula, ou queira fazer os outros engolir porque também se está metido na marosca, o comportamento e atitude de quem, com requintes de malandrice, alardeia que faz o que faz fazendo passar por um favor a alguém ou a alguma instituição algo que é do seu próprio interesse. É que os favores pedem-se e fazem-se, como eu disse, em silêncio. Quando apregoados normalmente escondem intenções e escondem-se mesmo, pela voz da própria pessoa, atrás de conceitos como coragem, espírito de missão e muita honra. Por favor!

Bom Carnaval e até para a semana.

 

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com