As maritacas deste Mundo

Crónica de Opinião
Terça-feira, 31 Outubro 2017
As maritacas deste Mundo
  • Cláudia Sousa Pereira

 

 

Escrevo esta crónica a sobrevoar o Atlântico, vinda do Brasil. Foi uma viagem de trabalho. Alguns aproveitam-nas para esticar as estadias e fazer turismo. Não o fiz, pelo que a minha primeira visita ao atraente Brasil dos folhetos turísticos se ficou por uma pequena (mas encantadora) cidade de Minas Gerais, e pelos percursos entre o aeroporto mais próximo. Mas o que é certo é que trouxe de lá muito mais do que os habituais “recuerdos” ou mais um record de milhas voadas.

Das curiosidades com que também todos os viajantes se costumam enriquecer, trouxe o estreito contacto com as maritacas, uma espécie da família do papagaio e do periquito, pequenas aves coloridas de piar incessante e estridente que dão origem à expressão que diz de alguém que fala “como uma maritaca”. Em Portugal associamos à gralha ou usamos a corruptela da expressão brasileira dizendo que fala “como uma matraca”, o que só acentua o efeito doloroso de quem tem de as ouvir.

Também trouxe alguma informação, mais completa pela proximidade, que os meios de comunicação se encarregam de passar para as massas e que me revelaram um Brasil em perigo. Talvez um pouco mais em perigo que o resto do Mundo democrático por lhes faltar, aos cidadãos comuns, ainda tanto do que quem vive em democracia, e em sociedades progressistas, merece e a quem se exige, ou devia exigir, que assim se preserve, democrática e progressista. Se ainda a sua maior parte ainda não provou dela, parece o seu todo mais atreito a abrir mão do pouco a que tiveram acesso, vítimas de engodos e equívocos vários.

Quando as notícias quase diárias de confrontos nas favelas do Rio de Janeiro, em que habitantes e polícias militares são feridos e mortos, o que parece o agravar de uma situação anormalmente considerada normal, eis se não quando acontece que uma das vítimas foi uma turista espanhola que resolveu comprar o “tour” à Rocinha e não saiu de lá para contar a experiência, termo tão caro à área do Turismo, em diversas ópticas do especialista académico ao viajante comum. O turismo da pobreza tem tudo, e mais alguma coisa, para ser uma actividade de gosto duvidoso. Ele não é o oposto de fechar os olhos e ignorar a pobreza com que nos cruzamos sem querer. É, no meu entender, um desrespeito para com os nossos semelhantes, uma atitude sinónima de oportunismo e sobranceria.

Durante a minha estadia também a já quase lisboeta Madonna esteve no Rio e resolveu visitar uma associação com um relevante papel social na mesma favela em que a turista foi apanhada no meio de um tiroteio. Uma visita que se quis tudo menos discreta, ao bom jeito que nós percebemos que muitas celebridades gostam de viver e de que se alimentam muitos meios de comunicação. E valeu os reparos de vários comentadores de vários canais e suportes de comunicação social. Uma incessante e estridente Madonna, transformada em pequena maritaca. Não se julgue, no entanto, que este modelo metaforizado ao jeito da maritaca é só de estrelas de nível mundial. Ele há maritacas de género vário e em terras pequenas para o resto do mundo mas enormes no coração, e no discurso, dos seus filhos. São do tipo que uma vez poisadas num dos ramos mais altos do “pedaço”, julgam que a única forma de justificar a sua existência é palrar de forma incessante e estridente. Uma tentação. Perceber isso pode ser já um passo para evitá-lo. O outro é ter mais alguma coisa para dar do que só ser incessante e estridente. Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com