Ataques na Semana Santa

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 26 Abril 2019
Ataques na Semana Santa
  • Rui Mendes

 

 

A Páscoa é a principal festa dos cristãos, na qual se celebra a ressurreição de Jesus Cristo. O domingo de Páscoa finaliza a Semana Santa.

Ora, foi precisamente no domingo de Páscoa que se deu o último ataque terrorista no Sri Lanka, algo que se crê como propositado de forma a atingir em particular a comunidade cristã, razão dos atentados acontecerem quase que simultaneamente em igrejas e hotéis.

As oito explosões que foram provocadas por suicidas geraram mais de 350 mortos e muitas centenas de feridos.

O Estado Islâmico veio na passada terça-feira reivindicar a autoria destes ataques terroristas, pese embora as autoridades não tenham confirmado que os ataques tenham sido praticados por membros daquele grupo jihadista.

O mesmo Estado Islâmico que foi aniquilado dos territórios que ocupava na Síria e no Iraque e que assim tenta manter um clima de terror.

O sentido do terrorismo islâmico é também o de criar sentimentos de insegurança, o criar divisão, o não permitir um mundo com paz.

Tenhamos presente que todos os que integram estes grupos, com o seu fundamentalismo exacerbado, são um perigo para muitas sociedades,  e especialmente para as ocidentais.

Numa das últimas crónicas, sobre as eleições europeias 2019, identifiquei o terrorismo islâmico como um dos grandes problemas que deverão constar do debate europeu.

Porque o terrorismo tem sido um dos problemas que atormentam os europeus e tem fechado a Europa, pelo que é importante que a União Europeia e os seus responsáveis estejam focados neste problema.

A União Europa sendo um projeto de paz deverá estar na linha da frente no combate aqueles que querem um mundo em estado de guerra e vivem de ódios.

E nós, cidadãos portugueses, devemos saber o que cada um dos candidatos pensa sobre este flagelo, porque para além de pôr em perigo a segurança dos países, o terrorismo islâmico mata de uma forma cega, atingindo de uma forma letal.

Condenar este tipo de ataques é importante, mas não chega.

 

Até para a semana

 

Rui Mendes