Autárquicas 2021

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 05 Março 2021
Autárquicas 2021
  • Rui Mendes

 

 

Começou a disputa autárquica.

Os candidatos começam a ser conhecidos.

Carlos Moedas será o rosto da coligação PSD/CDS para concorrer à Câmara Municipal de Lisboa.  É certamente um candidato muito forte e uma grande aposta para a principal Câmara do país.

Carlos Moedas é um português com grande notoriedade ganha por funções que exerceu de forma exemplar, quer enquanto secretário de Estado no anterior Governo de coligação PSD/CDS, cabendo-lhe a coordenação do programa de ajustamento económico e financeiro que decorreu como consequência do recurso de apoio financeiro externo, quer posteriormente como comissário europeu com a pasta da investigação, inovação e ciência.

Em Lisboa soube-se ter uma correta leitura dos anteriores resultados, constituindo uma coligação agregadora de diferentes sensibilidades e com cunho vencedor.

Esperemos que esta leitura tida para Lisboa também venha a acontecer em tantos outros municípios em que a agregação de votos permitirá ganhar Câmaras Municipais, aumentar número de eleitos, alcançar maior força política, para mais o contexto atual vivido à direita é de uma maior divisão pela existência de novos partidos.

Sabemos que estas eleições são aquelas que requerem aos partidos maior tempo para sua preparação, porquanto envolvem largos milhares de candidatos e porque são aquelas onde existe maior proximidade entre eleitor e candidato.

As próximas eleições autárquicas são de inegável importância.

Em termos regionais para se conhecer se a tendência que tem vindo a acontecer, os socialistas a ocuparem o terreno dos comunistas, se mantém.

Também para testar a reação dos diferentes eleitorados às alternativas de centro direita que serão apresentadas.

Sabemos bem a inércia que se vive em alguns municípios, das críticas que se fazem aos executivos.

Pois bem, cada cidadão terá a sua oportunidade para se pronunciar por via do voto, de modo a poder alterar o status quo dominante, para que se criem dinâmicas onde elas há muito deixaram de existir, e para que os territórios não fiquem amarrados a lógicas políticas que não promovem o seu desenvolvimento, ou a pessoas que se julgam proprietários do poder público, pondo e dispondo conforme entendem.

Mas não esqueçamos também que os resultados destas eleições terão necessariamente uma leitura nacional, como aliás já tiveram anteriores eleições autárquicas.

 

Até para a semana

 

Rui Mendes

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com