Autoeuropa, Belmiro e Empregos

Crónica de Opinião
Terça-feira, 05 Dezembro 2017
Autoeuropa, Belmiro e Empregos
  • Cláudia Sousa Pereira

 

 

A semana que passou trouxe no mesmo dia duas notícias relacionadas com o mundo do trabalho, esse território que quando encarado do ponto de vista mais desinteressado mas também mais empenhado, representa um modelo de equilíbrio da sociedade e um lugar de bem-estar para o indivíduo. Os problemas podem começar a surgir, por entre outros motivos, quando o interesse de uma corporação se sobrepõe à busca desses equilíbrio e bem-estar e o empenho se disfarça em desígnios de persistência que, na máscara da luta que parece revestir-se com resquícios de tiques tribais, em nada contribuem para o alcançar desse modelo.

O chamado braço-de-ferro entre empresa e trabalhadores na Autoeuropa foi uma das notícias, a outra a morte do maior empresário português, figura sobejamente discutida quando se quer continuar a torna presentes os que acabam de se ausentar, e como é da Vida. Sobre as duas notícias lá voltaram então as discussões sobre a construção deste mundo, sempre em modo de ser refeito, sob a tutela do deus dinheiro e onde algumas das principais lutas de poder, se não a luta mesmo, já não seria pequena se fosse para diminuir a desigualdade de oportunidades e alcançar uma razoável sustentabilidade, quer da sociedade quer do indivíduo. Sobre a Autoeuropa, adivinha-se o fosso escavado, pelas mãos mais de uns do que de outros, entre empregados e desempregados e entre gerações: os que nunca souberam o que eram os direitos dos trabalhadores e os que receiam não vir sequer a ser trabalhadores com metade dos direitos que vêem agora ser reclamados.

Mas o que me trouxe à crónica, para além dos factos e do que eles me trazem a pensar convosco, foi ter-me posto a comparar o que é a relação trabalhadores-patronato num “império” com o seu líder identificado, visto como gente, e outro “império”, o da Volkswagen, de quem desconhecemos os detalhes humanos de um, ou mais que um, eventual líder, tão ausente em vida como o será na morte Belmiro de Azevedo, pelo menos enquanto a sua memória não desaparecer com os que ainda com ele conviveram. E nós, os funcionários públicos, que temos como patrões nós-próprios e todos os outros que não o são mas que também nos pagam os direitos e para quem temos deveres, bem sabemos, sobretudo os que ocupam cargos de chefias várias, o difícil que é liderar e gerir a distância.

Tal como nenhum patrão (ou chefe), por muito líder que seja, está isento de defeitos e utiliza todos os meios ao seu alcance para continuar a ser um empresário (ou chefe de um serviço) de muito sucesso, e aumentar assim o seu próprio bem-estar, também não são todos os trabalhadores – uma espécie de monopólio que alguns arrecadam para si e de quem parece mesmo é serem donos deles todos – que são as vítimas do sistema capitalista em que todos, sem excepção, vivemos hoje.

Termino com duas das muitas frases lapidares que o Senhor Sonae deixou aos novos empresários, como uma escola que acabou por criar, e cito-o: “Sejam disruptivos, tenham a coragem de questionar o porquê de as coisas serem como são e, se identificarem formas de fazer melhor, trabalhem e façam acontecer”, “Vejam e ultrapassem a rejeição, que não é mais do que um passo no processo de fazer acontecer”.

Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com