Boris e o desporto trans

Nota à la Minuta
Quinta-feira, 07 Abril 2022
Boris e o desporto trans
  • Alberto Magalhães

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, tem conseguido, até agora, desafiar a sorte com improvável sucesso e, curiosamente com a preciosa ajuda de Putin. Primeiro, na campanha do Brexit, em que a interferência do ciber-exército russo se tornou notada e contribuiu para a vitória do abandono da UE. Recentemente, quando a invasão da Ucrânia veio desviar as atenções do escândalo das festas e festanças, na residência oficial do primeiro-ministro, durante a quaresma pandémica, festas que Boris sempre confundiu, coitado, com reuniões de trabalho.

Agora, segundo relata o Expresso de ontem, Johnson parece ter abandonado a prudência mais elementar, pondo seriamente em risco o seu lugar à frente do governo de Sua Majestade. Tudo porque não resistiu a entrar na polémica causada pela União Ciclista Internacional que decidiu não aceitar Emily Bridges, uma transsexual, numa competição feminina, visto ainda estar registada, nesta época, como ciclista masculino.

Com toda a transparência e falta de bom senso político, Boris “afirmou que não acredita que as mulheres transgénero devam competir em eventos desportivos femininos”, explicando não acreditar que “quem seja biologicamente homem deva competir nesses eventos”. E acrescentou, ingénuo: “Talvez isto seja uma coisa controversa de se dizer, mas parece-me apenas sensato”.

Irá Boris Johnson sobreviver a estas, mais que atrevidas, declarações? A Stonewall, ONG de defesa de direitos LGBTQ+, já veio dizer que “é importante que as pessoas transgénero tenham a oportunidade de usufruir dos benefícios do desporto sem enfrentar a exclusão ou o abuso”. Boris Johnson que se cuide.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com