Comemorar em contenção social

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 08 Maio 2020
Comemorar em contenção social
  • Rui Mendes

 

 

Muitas têm sido as lições que nos tem dado o Papa Francisco.

Com a pandemia em propagação a Igreja soube comemorar a Páscoa em ambiente de contenção. Uma medida de bom senso e de salvaguarda da saúde pública.

O Papa Francisco deixou-nos a sua mensagem Urbi et Orbi e partilhou com a comunidade cristã as suas reflexões e preocupações sobre a pandemia, deixando a sua palavra de esperança.

Esta semana o Reitor do Santuário de Fátima apelou aos peregrinos para não se deslocarem ao Santuário nos próximos dias 12 e 13 de maio, não sendo permitido aos peregrinos o acesso a qualquer espaço do Santuário, sendo a “peregrinação” feita por via da comunicação social, da internet e das redes sociais.

Teremos de louvar a sensatez da Igreja Católica em tempos de pandemia, mantendo as comemorações, mas afastando os seus peregrinos, não os sujeitando à exposição da covid-19. Optou-se, e bem, por acatar as recomendações das organizações de saúde, fazendo cumprir regras de confinamento social e de limitações de circulação.

Contudo, temos de nos indignar quando assistimos a alguns políticos. sublinho, alguns políticos, que se julgam acima de tudo, não tendo a sensatez de agir de acordo com regras que acautelem a saúde pública. Muitas destas regras apoiadas por eles mesmos, exigindo que os outros as cumpram, mas excluindo-se de as cumprir.

Tudo o que possam dizer para justificarem realizações políticas com a necessidade de deslocação e participação de muitas pessoas são desculpas que pouco ou nada interessam.

Relembramos que o que está em causa é o cumprimento de medidas de prevenção e de salvaguarda da saúde pública. É isto que está em causa, nada mais.

Mais ainda nos indignamos quanto tantos portugueses têm a sua vida “suspensa” por terem de cumprir regras de saúde pública, porque foram obrigados a cessar ou reduzir as suas atividades.

Quando tantos portugueses têm o seu futuro incerto por não saberem como irão ultrapassar os efeitos económicas que a pandemia lhes trouxe às suas vidas.

Ainda assim todos estes portugueses procederam conforme o Governo lhes exigiu, e bem, de se manterem em confinamento e de cessarem atividades para limitar os efeitos da pandemia.

Os portugueses já perceberam que teremos de nos acantonar para evitar contatos e, consequentemente, reduzir a possibilidades de propagação da doença. Só sendo possível realizar-se eventos de pequeníssima dimensão.

Contudo, certos eventos políticos, e só estes, poderão continuar a realizar-se, porque aí vigoram outras lógicas. Não dá para entender. Só têm moral para exigir e criticar aqueles que dão o exemplo. Os demais não têm legitimidade para o fazer.

Em tempos de pandemia o Papa Francisco e a Igreja Católica deram-nos uma grande lição, e são um exemplo de como agir, salvaguardando a saúde pública.

 

Até para a semana

 

Rui Mendes

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com