Como se atreveu Dr. António Costa?

Crónica de Opinião
Segunda-feira, 09 Dezembro 2019
Como se atreveu Dr. António Costa?
  • Maria Helena Figueiredo

 

 

 

Como se atrevem? foi assim que Greta Thunberg, uma miúda, frágil, sozinha, interpelou nas Nações Unidas os líderes mundiais e os confrontou com a falta de respostas à emergência climática , que põe em risco, a cada ano que passa, a subsistência de milhares e milhares de espécies, de nós próprios e do planeta.

E é assim que nós, pessoas comuns, temos de interpelar quem nos governa e toma decisões em nosso nome, sem nos consultar. Decisões que nos vinculam e nos envergonham enquanto nação democrática, defensora dos direitos humanos e construtora da paz e de entendimentos ao nível mundial.

Como se atreveram os nossos governantes a permitir que o nosso país fosse usado, como se fossemos um bordel, para que Netanyahu e Michael Pompeo viessem aqui encontra-se e combinar-se para, mais uma vez, violar o direito internacional e subjugar o povo palestiniano?

Muitos querem fazer crer que na politica internacional a escolha e o encontro em Lisboa foi um facto “normal”? Até o presidente Marcelo veio com uma narrativa lembrado um encontro entre dois países, no nosso território, no tempo do fascismo. Mas não, não foi. Não foi nem é normal.

Se fosse “normal” e inócuo o Governo do Reino Unido, que é um governo alinhado à direita, não teria recusado que o encontro se realizasse no seu território.

E se fosse “normal”, ao que se sabe, outros Estados europeus não tinham recusado que o encontro se realizasse nos respectivos territórios.

Foi o Governo português, sem coragem política e sem coluna vertebral, convenhamos, que subservientemente abriu as portas a que o encontro de falcões se realizasse em território nacional.

Não é a 1ª vez que o nosso país se presta a um tal papel. Não esquecemos a cimeira das Lages quando Durão Barroso recebeu Bush, Blair e Aznar que aqui vieram iniciar a guerra contra o Iraque.

Desta vez foi António Costa e o Partido Socialista que deram luz verde a que Pompeo e Netanyahu viessem a Lisboa para acordar como actuar contra o Irão, desestabilizando, mais ainda, o médio oriente, e para preparar a anexação por Israel do Vale do Jordão, uma parte importante da Cisjordania, em grave violação do direito internacional e das resoluções das Nações Unidas, violando os direitos do povo palestiniano e comprometendo, cada vez mais, a possibilidade de uma solução para a Palestina.

E é por isso, pelo menos, de questionar como é que esta autorização do Governo Português para que o encontro se realizasse cá pode ser compatível com as posições que Portugal defende nas Nações Unidas? E com as posições da Assembleia da República?

Ainda há poucos dias na Assembleia da República foi aprovado um voto de condenação da acção de Netanyahu na Cisjordânia, com os votos do PS, em que esta «Reafirma o carácter ilegal dos colonatos israelitas» e «Reitera o direito do povo palestiniano à constituição de um Estado livre, viável, soberano e independente, com capital em Jerusalém Leste, conforme as resoluções da ONU».

Nem que fosse por coerência e por respeito para com o Parlamento, o Governo não poderia ter dado luz verde a este encontro. Um encontro de que resultarão sabe-se lá o que acções mas a que o nome de Lisboa e do nosso país ficará sempre ligado.

Mas mais, não tendo de o fazer, António Costa e o ministro Santos Silva, no que só pode ser entendido como um acto de subserviência face aos Estados Unidos e aos amigos de Trump, receberam Netanyahu, quando este nem sequer estava em Portugal para tratar do que quer que fosse com o governo português.

Com essa actuação António Costa e o Governo português normalizam aos olhos do mundo os acordos a que Pompeo e Netanyahu chegaram e associaram o nosso país às acções criminosas da dupla Estados Unidos /Israel.

E tudo isto o Governo faz em nome do nosso país e do nosso povo. Por isso é caso para perguntar: como se atreveu Dr António Costa?

Até para a semana!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com