Conversas em Família

Crónica de Opinião
Segunda-feira, 12 Abril 2021
Conversas em Família
  • Maria Helena Figueiredo

 

 

Se eu dissesse que tinha havido uma sessão pública sobre os projectos que estão a ser desenvolvidos pelo município, no Salão Nobre da Camara Municipal e que o senhor Presidente da Camara tinha feito o convite à população para ir assistir e fazer as perguntas que quisesse, mas que uma vez chegados à porta uns munícipes entravam sem mais e a outros colocavam um adesivo na boca para não poderem falar, o que é que diriam?

Diriam seguramente que não era verdade, que não podia ser porque um Presidente da Camara quando faz um convite à população não pode deixar uns munícipes falar e outros serem silenciados.

Pois eu também pensava assim, mas o certo é que aconteceu. Bem, não numa sala do município mas num evento criado no facebook.

Vamos lá aos factos.

O nosso presidente da Câmara resolveu fazer no Facebook, no seu perfil como Presidente da Camara, com a imagem gráfica da Câmara, Sessões sobre vários temas, sob a designação genérica de “Évora à Conversa”. Na 5ª feira passada, realizou-se a 2ª dessas sessões sobre “Projectos Ambientais para o desenvolvimento sustentável” que o Município de Évora está a desenvolver, com convidados para também falar sobre o tema e fez um convite generalizado à participação, dizendo “Estas conversas são abertas à participação de todos através de comentários e perguntas”.

Uma boa iniciativa, que por acaso só aparece em período de pré-campanha autárquica, mas que permitiria, nestes tempos de pandemia e quando quase tudo se passa por videoconferência, que os munícipes pudessem esclarecer dúvidas e até dar contributos.

Digo que seria boa, se qualquer munícipe pudesse participar. Mas não, apesar do convite ser para todos, só alguns tiveram o privilégio de fazer perguntas ou comentários.

Várias pessoas se queixaram do mesmo tratamento discriminatório, que eu própria testemunhei. Aliás bastou ver os comentários de quem tinha privilégio de comentar, para ver que o tom geral era apologético.

Ora, o Sr. Dr Pinto de Sá, na sua qualidade de simples cidadão, tem todo o direito de fazer as sessões em streaming no Facebook que quiser, com recurso a meios por si suportados, e convidar quem quiser e até bloquear quem quiser. É um direito seu que deve merecer o nosso respeito.

Mas quando está na qualidade de Presidente da Câmara de Évora, a apresentar projectos do Município, e usando meios técnicos do Município no facebook, tem que actuar como presidente de todos os munícipes, de quem gosta e de quem não gosta, e não apenas daqueles que ele escolhe como “amigos”.

Para quem diz defender a participação dos munícipes abrir “Évora à Conversa” apenas para alguns é, no mínimo, pouco democrático. E, sinceramente, a manter-se assim mais vale chamar-lhes “Conversas em Família”

Até para a semana!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com