Correcções e insurreições políticas

Crónica de Opinião
Terça-feira, 10 Outubro 2017
Correcções e insurreições políticas
  • Cláudia Sousa Pereira

 

É bom estar de volta às crónicas da DianaFm e continuar a pensar convosco as andanças desta terra, seja ela cidade, região, país, continente ou habitat da espécie humana.

O Verão foi longo, quente e fatal, tudo ingredientes para que não tivesse senão um pinguinho de aroma a silly season, e, e… Parece que já nem num mundo mergulhado em redes sociais a tradição das convenções supérfluas de agir à jetset é o que era. E conseguir impor tréguas carnavalescas à seriedade do que realmente importa torna-se difícil. Talvez até pior ainda: o que foi silly foi o que, por força de outros calendários, e falo do eleitoral em particular, se deveria ter mantido a sério e não conseguiu. Mas adiante, que esse assunto está encerrado, com o povo que pôde escolher quem lhe resolva, ou tente resolver, o problema de ao pé da porta, tão importante como o problema que afecta a Humanidade lá mais ao longe. Daqui para a frente se construirá o julgamento em 2021.

Nesta série de crónicas decidi alinhar não por alguma constante que tenha estado fora das anteriores, que se fizeram à volta de estrangeirismos, expressões populares, verbos, citações ou metáforas, mas onde os acontecimentos suscitaram, e continuarão a suscitar, a opinião. Com a certeza, porém, de que manterei o que sinto desde o princípio: que por ser opinião que expresso publicamente tenho o dever de explicar os seus porquês com argumentos que não diminuam quem os oiça com atenção; que pessoas inteligentes perante a mesma informação podem ter opiniões diferentes e, que uma vez explicadas nesta mesma base, não são opiniões nem intelectualmente limitadas, nem desonestas. O que me leva também a distinguir, como é evidente, entre opinião e carácter. Nem todos os opinativos têm bom carácter e nem todos os que têm bom carácter têm de ser opinativos. O carácter é também o que permite, para além da opinião, atitudes correctas ou não. E não estou a pensar fazer nenhuma espécie de tratado de ética ou moral em fascículos, mas apenas e só a pensar convosco o que vamos ouvindo dizer sobre o que acontece.

E para começar esta etapa em que as palavras continuam, afinal, a estar omnipresentes (como nos estrangeirismos, nas expressões populares, nas metáforas ou nas citações) importará perceber que, como tudo, as palavras crescem e modificam-se sem nunca precisarem de ser desvalorizadas, nem mesmo até, por serem de uso perigoso, ser deixadas à solta. E é por isso que importa percebermos, e vos deixo a pensar, sobre o tanto que agora se diz sobre o “politicamente correcto”. Lembro que na origem é uma classificação de algo ou alguém que segue as normas estabelecidas por uma instituição oficial. E, normalmente, quando se fala em “politicamente correcto”, qualifica-se o uso de palavras ou o discurso que evita estereótipos ou referências a diversas formas de discriminação existentes ainda numa sociedade em progresso, como o racismo, o sexismo ou a homofobia. Deste conceito cria-se, através de uma lógica discutível, a ideia do “politicamente incorrecto” em que todo o cuidado em evitar o uso de expressões ofensivas para determinadas pessoas ou comunidades, é desconsiderado. O discurso “politicamente incorrecto” é o comum do discurso humorístico, legitimamente silly, portanto. E quando se opina em público é fácil sentirmo-nos atraídos por ele. Resta saber onde acaba o humor e começa a intolerância.

Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com