Covid-19 – Espanha vs Portugal

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 15 Maio 2020
Covid-19 – Espanha vs Portugal
  • Rui Mendes

 

 

No passado fim de semana o jornal El País fez uma análise sobre como evoluiu a covid-19 em Espanha e Portugal.

Quis o El País mostrar como Espanha e Portugal agiram no combate à doença, explicando as razões por que os dois países apresentam números de infetados e mortos tão díspares.

A razão que sobressai é o facto de Portugal ter agido por antecipação, desde logo porque teve o tempo necessário para ver o que ocorria nos outros países, como também as medidas que cada país foi adotando.

Um dos investigadores citados refere que houve ainda mais três razões para que as diferenças tenham sido tão significativas:

1)   Portugal não possui um sistema de autonomias regionais, o que facilitou nas tomadas de decisão;

2)   O Governo e oposição uniram-se;

3)   A população ficou desde cedo consciente do problema, tendo aceitado e colaborado na execução das medidas tomadas.

Ou seja, Portugal terá tido condições que Espanha não conseguiu estabelecer.

Espanha e Portugal integram a Península Ibéria, o espaço geográfico mais extenso da União Europeia, pelo que é natural que os indicadores de cada um dos países sejam analisados de uma forma mais particular, sejam os que se referem à educação ou cultura, à agricultura ou pescas, à saúde ou segurança social, ao ambiente ou território, à economia ou trabalho, ou a qualquer outra área.

No que se refere à doença que se tornou numa pandemia a comparabilidade dos números entre os países que integram a Península Ibéria terá que ser entendida da mesma forma, com a naturalidade com que se analisam todos os restantes outros indicadores.

Talvez porque existem diferenças significativas dos números de infetados e mortos entre os registados em Espanha e Portugal, sendo muito mais favoráveis os registados em Portugal, que todos parecem jubilar de contentamento.

Mas, fixemos o que refere o El País:

“Apesar de Portugal apresentar números melhores que os espanhóis em termos de casos de infeção e de mortes por 100 mil habitantes, também não é um exemplo perfeito … Portugal ocupa o 9º lugar em mortes por um milhão de habitantes entre os 27 países da União Europeia, sendo o 6º em número de contágios”.

Digamos que, qualquer delas, são posições que nada nos dignificam. Integramos os grupos dos piores.

Não deixam de se refletir aqui os efeitos dos cortes e cativações aplicados pelas Finanças nos últimos anos no orçamento do Ministério da Saúde. As várias despesas assumidas em “período de pandemia” não conseguiram apagar esses efeitos.

Mas quem houve os nossos governantes nem imagina que ocupamos tais posições, porque o que nos é transmitido pela máquina de propaganda do governo é que somos o exemplo.

Já nada devemos estranhar. É tudo uma gabarolice, ao ponto de o presidente do Eurogrupo elogiar o trabalho do ministro das Finanças de Portugal, não fossem ambos a mesma pessoa. O mesmo que agora parece ser o ministro a prazo.

Enfim, é o que temos.

 

Até para a semana

 

Rui Mendes

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com