Crescimento económico

Sexta-feira, 22 Abril 2022
Crescimento económico

 

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou esta semana a sua previsão para o crescimento do PIB português.

Prevê o FMI que o PIB de Portugal cresça 4% em 2022 e 2,1% em 2023. Será uma previsão corrigida em face do atual contexto, atendendo que ela é revista em baixa, porquanto em outubro o FMI previa um crescimento de 5,1% para a economia portuguesa em 2022.

Também o Governo reviu em baixa a sua previsão de crescimento para este ano, tendo em sede de proposta de Orçamento de Estado previsto um crescimento do PIB em 4,9%, quando antes tinha previsto 5,1%. A atual previsão do Governo está em linha com a previsão do Banco de Portugal.

Estas previsões são positivas porque colocam a economia portuguesa a crescer acima da média da zona euro.

Ainda assim, estas revisões em baixa, também nos devem deixar avisados pois elas acontecem porque o mundo atravessa um período de grande imprevisibilidade. E verdadeiramente não sabemos os estragos que a guerra ainda fará nas economias europeias, pelo que não será de estranhar novas revisões em baixa.

Ainda que as perspetivas de crescimento sejam positivas, a imprevisibilidade poderá criar alguns constrangimentos, quer no que se refere ao crescimento da economia, quer pelo aumento da inflação, particularmente no aumento dos preços e na redução do consumo.

Ainda que as previsões de crescimento sejam, todas elas, bondosas, esse crescimento económico não é sentido na carteira dos portugueses, porque os salários estão em perda ou em contenção, não acompanhando as boas perspetivas de crescimento da economia portuguesa.

Quer agora o Governo acautelar o estado das contas públicas, para que quando for retomado a aplicação das regras orçamentais da União Europeia, as quais definem os limites do défice e do rácio da dívida pública, o país não seja surpreendido, regras que poderão entrar em vigor em 2023.

Ainda assim são os mesmos de sempre a suportar estes esforços, os trabalhadores que se encontram num empobrecimento que parece ser constante, quer quando a economia portuguesa não cresce, quer quando ela apresenta níveis positivos de crescimento.

A valorização global dos rendimentos do trabalho é tão só uma retórica governativa. Enfim, é o que temos … e não se espere muito mais.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com