Destaques

Nota à la Minuta
Sexta-feira, 17 Janeiro 2020
Destaques
  • Alberto Magalhães

 

 

Este fim-de-semana, no plano nacional, teremos a 2ª volta das eleições no PSD e a Convenção do partido Livre. Quanto ao PSD, e ao contrário do que vem sendo dito pelos inimigos de Rui Rio, o melhor que pode acontecer a António Costa é a vitória de Luís Montenegro, cuja intenção de acantonar o partido à direita deixaria todo o centro completamente disponível para o Partido Socialista. Quanto ao Livre, a Assembleia de 40 camaradas, órgão máximo entre congressos, aprovou por unanimidade propor à Convenção deste fim-de-semana a retirada de confiança à sua única deputada, Joacine Katar-Moreira. A decisão peca pela demora e pode não evitar a derrocada completa do partido.

No plano internacional, três destaques. Tsai Ing-wen, presidente de Taiwan, que aqui há uns meses se via condenada pelas sondagens a perder para um opositor favorável à aproximação à China continental, foi recentemente reeleita, mercê do descrédito que a actuação de Xi Jinping em Hong Kong trouxe à apregoada política “um país, dois sistemas”. Se dúvidas havia sobre a bondade da democracia chinesa, parecem ter-se aprofundado.

No Congresso americano, os senadores juraram ser imparciais no julgamento de Donald Trump. Resta saber quantos fizeram figas. A repetição sistemática – e outrora desonrosa – de mentiras parece ser a táctica que se vai impondo no século XXI. Donald Trump, o grande inspirador, tem cada vez mais adeptos.

Faz 100 anos que os americanos aprovaram a 8ª emenda à Constituição. Treze anos depois, eliminaram-na. Proibia “o fabrico, a venda e o transporte de bebidas intoxicantes”. Era a Lei Seca que se impunha, mãe do Al Capone e do mercado negro. Os efeitos perversos foram tão grandes que tiveram de acabar com ela. A proibição é a fortuna do traficante.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com