E é por isso

Crónica de Opinião
Quinta-feira, 01 Fevereiro 2024
E é por isso
  • Nuno do Ó

À data de hoje, todos os partidos já terão entregado as listas dos seus candidatos às próximas eleições legislativas, antecipadas para o próximo dia 10 de março, por via da demissão do governo do PS de António Costa e da dissolução da Assembleia da República, que assim, ficou sem os seus representantes legítimos no mais importante órgão de decisão do país.
E é por isso que todos teremos que votar no próximo dia 10 de março, para que no final, cada um de nós, na sua região, tenha os seus representantes legítimos e a voz da sua região numa renovada Assembleia da República.

Os deputados à Assembleia da República serão eleitos por 22 círculos eleitorais, que correspondem a cada um dos distritos do continente, a cada uma das regiões autónomas e ainda aos cidadãos portugueses residentes na Europa e fora da Europa. Cada um destes círculos eleitorais elegerá um número de deputados que deverá corresponder ao número de pessoas que habitam nem cada região.
E é por isso que Évora elege apenas 3 dos 230 deputados da Assembleia da República. É por isso que o Alentejo elege apenas 8 deputados. É por isso que os distritos do interior, que correspondem a cerca de metade do país, apenas elegem 18 deputados. Já junto ao mar, são eleitos 175 deputados, sem contar com as ilhas, que elegem mais 11 deputados.
E é por isso que o interior do país não tem voz. Porque não conta, porque poucas são as vozes que por aqui são eleitas. É por isso que o Alentejo, que corresponde a 33% do território nacional, elege cerca de 3% dos deputados eleitos, mesmo com mar, mas que ao que parece, pouco conta.

Quanto menos pessoas a região tem, menos representantes poderá ter. Quanto menos representantes tem, menos voz terá, menos capacidade de demonstrar e de resolver os seus problemas, menos recursos, menos capacidade de atrair investimentos, menos capacidade de ter emprego, trabalho e consequentemente, menos condições para garantir que as pessoas aqui possam viver. O único mais… mais pessoas e jovens abandonarão a cidade e a região. E voltemos aos menos… com os jovens a partir, menos pessoas teremos no futuro na nossa região.
E é por isso que teremos cada vez menos deputados eleitos, enquanto as regras forem ditadas por Lisboa, Porto e arredores. Os deputados, em qualquer caso, deveriam ser a voz de cada região e dos cidadãos que nela habitam, devendo defender, antes de tudo, os interesses e as necessidades dos seus representados e da região que os elegeu. Por isso, se diz que são representantes dos eleitores. Infelizmente, a maioria dos eleitos representam mais os seus partidos do que a região pela qual foram eleitos, por isso, a maioria dos eleitores não conhece os seus deputados.

E é por isso, que muitos estão ainda convencidos que votam nos líderes dos partidos. Nada mais errado. Em cada região, como em Évora, cada eleitor vota no candidato do partido pela região, alguns de que nunca se ouviu falar, outros de que nunca mais se ouvirá falar.
E é por isso que devemos ponderar bem em quem vamos votar, em quem queremos eleger para defender os interesses da região e nada pior do que eleger deputados que nunca mais ouvem falar de Évora, nunca mais cá voltam e que nunca se lembram de ouvir as pessoas que os elegeram ou de propor medidas e iniciativas na Assembleia da República, que de alguma forma, possam favorecer esta já desertificada região.

E é por isso que as coisas não andam, não vale a pena fingir que não é assim. Foi por isso que o Hospital Central de Évora custou a nascer, porque alguns dos nossos representantes, para o exigir, telefonavam primeiro ao Costa para saber o que dizer ou que fazer. Precisamos tão somente de eleitos que defendam a região. Já sabe qual é o seu escolhido, a pessoa que pretende eleger para defender a sua região? É que é isso que vai contar, a 10 de março.

Para que fique a saber, pelo menos sobre os cabeças de lista… A CDU, depois de perder João Oliveira como representante da região, escolheu a deputada Alma Rivera, que foi responsável em conjunto com o seu grupo parlamentar, pela maior quantidade de propostas realizadas para Évora e em favor de Évora, mesmo sem ter nenhum eleito por Évora nas eleições passadas. O Bloco de Esquerda, escolheu o professor Manuel Canudo, um jovem com 23 anos de que pouco que se possa dizer, para já e naturalmente. O PS, escolheu o atual Presidente da Câmara de Vendas Novas, para ver o que dá, depois de terem eleito nas eleições passadas, Capoulas Santos e Norberto Patinho. Lembram-se deles, certo? É que eu não. Parece-me que foram daqueles que nunca cá mais voltaram. O PSD, agora AD, repete a candidata, Sónia Ramos. Também não demos por ela aqui na cidade, mais ocupada com as coisas em Lisboa, já que sobre Évora, pouco parece ter havido, digno de registo. Já o partido do outro, foi, como tem sido hábito, buscar um velho amigo a Faro, depois de ter sido rejeitado pelo PSD.

E é esta a escolha que teremos no distrito de Évora para eleger os nossos representantes. E é por isso que teremos que escolher com atenção, com muita atenção, para que mais tarde não se arrependam, para que possamos ter alguma hipótese. Pensem bem.

Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com