No ciclo das presidenciais

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 22 Maio 2020
No ciclo das presidenciais
  • Rui Mendes

 

 

A recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa a Belém está lançada.

Aconteceu na semana passada numa visita conjunta do presidente da República e do primeiro-ministro a uma fábrica de produção de automóveis. O lançamento deu-se pela mão de António Costa num contexto inabitual.

Não sabemos se aconteceu com o aval do próprio Marcelo Rebelo de Sousa ou não. Provavelmente não. Talvez nunca o saibamos. Mas isso pouco importará para o caso.

O certo é que António Costa, numa visita oficial, deu público apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Seguramente que Marcelo Rebelo de Sousa quereria que as presidenciais só fossem faladas bem mais tarde, pela simples razão que assim agirá sempre como Presidente da República e não como eventual candidato a Presidente. Uma e outra coisa fazem toda a diferença para quem sabe que a reeleição estará praticamente assegurada, mas que não estará o facto de poder ser o presidente da república eleito com a maior votação de sempre. Algo que será um objetivo de Marcelo.

Este apoio público de António Costa, na qualidade de primeiro-ministro, será também o apoio do governo e, certamente, o apoio dos socialistas.

Costa quis antes de mais marcar já a sua posição sobre as presidenciais, forçando também a do seu partido.

Fê-lo quando menos se esperaria.

Fê-lo para retirar espaço a uma eventual candidatura no seu espaço político que lhe pudesse tirar protagonismo, poupando o seu partido a uma derrota eleitoral e associando-se, em primeiro lugar, a uma candidatura vencedora.

Fê-lo para retribuir o apoio que o atual presidente da República tem dada à governação. Sempre que foi necessário Marcelo Rebelo de Sousa esteve presente a ajudar o governo. E quando não foi necessário também lá esteve.

Talvez por este apoio ter sido demasiado terá, naturalmente, perdido a simpatia de algum eleitorado da direita que o apoiou, e que o fez eleger em 2016.

Não se pretende um presidente da república que seja um permanente entrave à governação. Nada disso. O país precisa de cooperação entre as instituições. Mas em muitos momentos, temos de confessar, víamos mais o PR como um “membro” da governação do que como PR, mais como um apoiante inquestionável da governação do que como PR, mais como um porta voz do governo do que como PR.

Muitas metas ficaram há muito por atingir, objetivos por cumprir, uma divida pública a crescer, um país que se contenta com pouco e que lhe falta ambição, nada disto tendo acontecido pela crise do novo coronavírus que tem apenas uns três meses, mas nada disto foi alguma vez abordado pelo presidente da República. Para o PR tudo está bem e bem está tudo, são afetos e mais afetos, elogios e mais elogios a tudo e a todos, e por aqui ficamos. Bem sabemos que é disto que o povo gosta. MRS sabe isso muito bem. Por isso teve uma especial atenção na gestão do mandato.

Esquecendo-se de quem o apoiou, esquecendo-se das suas origens, esquecendo-se de que havia metas a cumprir, aceitando permanentemente o discurso governativo de que está sempre tudo bem, quer quando está, quer quando não está.

Lamentavelmente conhecemos outros que também se “deslocaram” politicamente para campos que lhes permitem maior segurança eleitoral. É um dos males da política e com isso temos de viver.

A forma e o momento como aconteceu o lançamento da recandidatura de MRS apanhou a direita de surpresa, a qual terá ficado porventura sem candidato, e fez estalar o verniz nos socialistas, alguns ainda não terão esquecido 2016 e jamais pensariam apoiar (formalmente), em 2021, Marcelo Rebelo de Sousa para a presidência da república.

Daqui para a frente haverá muito a repensar para as presidenciais. Contudo, o tempo começa a escassear.

Até para a semana

Rui Mendes

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com