Nobel, orçamento e inquisição

Crónica de Opinião
Quinta-feira, 20 Outubro 2016
Nobel, orçamento e inquisição
  • Eduardo Luciano

 

Em Outubro de 1536 institui-se oficialmente em Évora a Inquisição portuguesa. Época terrível de intolerância, perseguições religiosas, tortura, autos de fé e outros mimos aplicados a todos os que fossem denunciados como não cumprindo os preceitos morais pregados pela Igreja Católica.

Passados estes 480 anos ficou entre nós o gostinho pela denúncia, pela delação anónima ou assumida que se reflecte no correio electrónico enviado às autoridades competentes, para denunciar a marquise ilegal do vizinho, o muro com mais vinte centímetros ou a suspeita de que qualquer coisa de errado se passa por causa de “um certo ar suspeito”.

Esta herança de delação é hoje assumida como “acto de cidadania”, legitimada, tal como naqueles tempos sombrios, pelo conforto de estar a fazer o que é certo e a ténue esperança de uma qualquer redenção terrena ou celeste.

Hoje, as fogueiras onde ardem os ímpios e heréticos são fisicamente mais suportáveis mas não deixam de ser, simbolicamente, formas de execução. Homicídios de carácter perpetrados por uma turba entusiasmada que segue acriticamente um título de jornal, uma frase, um qualquer gesto comunicacional que se torna viral em poucos segundos.

Diz-se, com a mesma intenção, “vou para a televisão denunciar-te”, como se da Mesa do Santo Ofício se tratasse.

É neste contexto que tivemos nos últimos dias um desfilar de inquisidores, defensores da cartilha neoliberal, pelas rádios e televisões pregando o seu evangelho contra a proposta de Orçamento de Estado, apresentada na Assembleia da República.

Baralhando, confundindo, manipulando, apagando da memória medidas de outros Orçamentos.

Escondem, no essencial, tudo o que possa ter de positivo, de recuperação de rendimentos do trabalho. Por vontade deles, e apesar desta proposta de Orçamento ficar muito aquém do que seria possível e desejável, não haveria qualquer dúvida que o seu fim seria o cadafalso ou a fogueira no final destas verdadeiras sessões de tortura, que pretendem que o pobre documento confesse todos os seus crimes.

Vale tudo, incluindo um senhor apresentado como “fiscalista” a confundir impostos com taxas e tarifas, muito indignado porque a carga fiscal não diminui “apenas” se deslocou e é isso que o incomoda.

Como já disse este é um orçamento que poderia e deveria ir mais longe se libertado dos constrangimentos impostos pela presença de Portugal nesta União Europeia de voz única e em desagregação.

O que se exigia era um debate sério em torno das medidas mais significativas, com o contraditório a substituir o coro dos inquisidores destes tempos em que, parafraseando o poeta, o fogo arde sem se ver.

Por falar em poetas e escritores deixem-me assumir aqui que gostei que um poeta que escreve canções fosse nomeado para um prémio de prestígio, fugindo do coro dos que acham que um poema dito a cantar não merece entrar no palácio real da poesia.

E mesmo correndo o risco de ser denunciado por esta heresia, estou a gostar muito da ideia de que neste mundo em que todos sabem tudo sobre todos, incluindo a sua localização, a Academia Sueca não consiga dar uma palavrinha ao senhor Zimmerman.

Até para a semana

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com