No melhor pano cai a nódoa

Nota à la Minuta
Sexta-feira, 20 Setembro 2019
No melhor pano cai a nódoa
  • Alberto Magalhães

 

 

Quando um primeiro-ministro politicamente correctíssimo prova do seu próprio veneno, até os anjos riem à gargalhada. Diz Trudeau, chefe do governo canadiano, em conferência de imprensa, depois da divulgação, pela revista Time, de uma fotografia onde ele, com 29 anos, aparece com a cara pintada de castanho e um turbante: “Trabalhei toda a minha vida para criar oportunidades para as pessoas e para combater o racismo e a intolerância. Posso dizer que cometi um erro quando era mais jovem e desejava não o ter cometido”.

A foto foi tirada em 2001, numa festa com o tema “noites árabes”, mas num concurso de talentos na escola secundária, Trudeau já se tinha pintado de castanho para imitar um cantor negro. Anteontem, a Global News mostrou um vídeo onde o pobre Trudeau volta a aparecer com a cara pintada de preto. Quanto a mim, poderia ter-se defendido dizendo que, quando era mais novo, pintava a cara de castanho ou negro precisamente para mostrar que não era racista e se identificava genuinamente com árabes e negros. Se calhar até diria a verdade, mas ninguém o levaria a sério.

Porque está bem estabelecido que é politicamente muito incorrecto e sinal, inequívoco, de racismo pintar a cara. A intenção só pode ser gozar com os pretos. Para Trudeau perder as eleições do mês que vem, já só falta descobrirem fotografias do jovem Trudeau vestido de mulher, num gozo de género, indecoroso e impróprio dum feminista como ele. Assim se sofre com o próprio veneno.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com