Notícias da frente e da rectaguarda

Nota à la Minuta
Sexta-feira, 29 Abril 2022
Notícias da frente e da rectaguarda
  • Alberto Magalhães

Guterres, em Moscovo, conseguiu afirmar peremptoriamente que a Rússia invadiu a Ucrânia e que não existem soldados ucranianos na Rússia, mas soldados russos na Ucrânia. Mas o que passou nos media russos foi a figura do secretário-geral da ONU a ouvir a peroração putinesca, mais mentirosa que os pinóquios deste mundo todos juntos. Guterres trouxe de Moscovo o compromisso de Putin sobre hipotético corredor humanitário em Mariupol. A ONU no papel de Cruz Vermelha. Ontem, Guterres esteve em Kiev e Putin lançou-lhe uns mísseis para bem perto, aproveitando o mediatismo do encontro com Zelensky para mostrar ao mundo o desprezo pelo secretário-geral das Nações Unidas.

Entretanto, o desespero russo aumenta o que leva o Kremlin a escalar os impropérios e as ameaças. Não falo do corte do gás à Polónia e à Bulgária por se recusarem a pagar em rublos o seu fornecimento. Parece uma resposta legítima a sanções ainda mais legítimas – e não pensem que me escapou o lado algo absurdo da frase anterior. Falo sim das ameaças à Moldova, à Alemanha, à Suécia e à Finlândia, falo de irresponsáveis alusões à possibilidade de recorrer a armas nucleares.

Entretanto, ontem, em Portugal, na AR, o primeiro-ministro insistiu que o dinheiro orçamentado para a defesa (menos que o previsto antes da guerra) chega perfeitamente e promete melhorar as carreiras militares, o que o Presidente Marcelo chama fazer omeletes sem ovos.

Ainda em Portugal, mas agora em Setúbal, a autarquia comunista põe russos apoiantes de Putin a acolher refugiados ucranianos, a fotocopiar-lhes passaportes e certidões de nascimento e a indagar onde estão os maridos e o que ficaram a fazer. É o que diz o Expresso de hoje e parece mentira. Mas a embaixadora da Ucrânia já tinha denunciado estes factos e confirma-se a putinesca desvergonha da autarquia setubalense.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com