O direito à imagem de Joe Berardo

Nota à la Minuta
Quinta-feira, 30 Maio 2019
O direito à imagem de Joe Berardo
  • Alberto Magalhães

 

 

Não é a primeira vez que as circunstâncias me obrigam a lamentar a falta de respeito com que se tratam e deixam tratar os deputados da nação, arrastando consigo – na desconsideração e mesmo no vexame – a própria instituição do Parlamento.

Tomemos, por exemplo, as comissões parlamentares de inquérito. Ainda se me remexem as tripas, quando recordo a prestação de Zeinal Bava, maravilha entre as maravilhas da fauna gestionária nacional e europeia, durante a sua audição na Assembleia da República. O modo como se furtou aos esclarecimentos sobre o seu papel no naufrágio da Portugal Telecom, invocando uma amnésia quase total, com um descaramento absolutamente nauseabundo, mereceria, no mínimo, uma imediata acusação de desrespeito pelo Parlamento e um processo por perjúrio.

Agora, vem Joe Berardo anunciar a intenção de processar os deputados da Comissão de Inquérito, com que se fartou de gozar há uns dias atrás. O pobre Berardo, não teve totalmente atendida a sua exigência de não ver gravada a sua audição. Os deputados fizeram-lhe a vontade quanto aos media, mas mantiveram a transmissão em directo dos trabalhos pelo canal Parlamento, lesando assim o seu alegado direito à imagem. No caso, como se viu, uma péssima imagem.

Estão a imaginar uma cena destas numa comissão do Senado americano? É por isso que eu digo e rogo aos senhores deputados: eu quero respeitar o Parlamento e respeitar-vos a vós. Por favor, não se deixem enxovalhar por um qualquer badalhoco. Respeitem-se e façam-se respeitar, por mor da pátria que representam.