O direito à Verdade

Crónica de Opinião
Quarta-feira, 13 Março 2019
O direito à Verdade
  • José Policarpo

 

 

Vivemos num tempo de grande indefinição e de diminuta previsibilidade. Internacionalmente, não vêm bons tempos pelo menos a tomar como sérias as notícias que todos os dias são difundidas na comunicação social.

O conflito comercial entre os estados unidos e a china, como, também, a anunciada saída do reino unido, da união europeia, não deverá tranquilizar-nos, pelo contrário. O terrorismo também é uma praga que invade o subconsciente dos mais atentos e avisados.

A nível nacional tivemos três anos de uma governação à esquerda nos direitos, mas com laivos ditatoriais nos deveres. Devolveram rendimentos aos funcionários públicos e pensionistas e aumentaram os impostos indiretos para níveis nunca vistos, que vão penalizando todos e cada um de nós. Como alguém dizia: dão com uma mão, aquilo que retiram com a outra.

Ora, os tempos atuais são no mínimo muito exigentes tanto a nível internacional, como, também, nacionalmente, por isso, quer os líderes mundiais, quer os nacionais, só têm um caminho para evitar conflitos armados e conflitos sociais: chamarem à solução dos problemas as pessoas e repensarem a democracia.

De contrário, não creio que as assimetrias e as diferenças existentes no acesso ao bem-estar, a continuarem assim, não antevejo que nos possam conduzir a boa coisa. Por isso, a verdade e a confiança deverá ser instituída entre quem dirige e quem é dirigido.