O gasóleo e o acidente na Madeira

Nota à la Minuta
Quinta-feira, 18 Abril 2019
O gasóleo e o acidente na Madeira
  • Alberto Magalhães

 

 

Há momentos em que, fazendo uma ronda pelos canais televisivos de informação, parece estar tudo louco. Ontem à tarde, chegado a casa, era ainda a corrida aos combustíveis que agitava os repórteres de rua. Em vez de recomendarem calma e moderação aos angustiados automobilistas, dramatizavam a situação a mais não poder e enfatizavam garbosamente os prenúncios de caos.

Por exemplo, anunciando o reabastecimento de um determinado posto de combustível, a moça de microfone na mão, em vez de aproveitar para tranquilizar os telespectadores, salientava, isso sim, a possibilidade do produto se esgotar em 15 horas, incitando-nos claramente a correr para lá antes que fosse tarde, convencida de que assim cumpria a sua sagrada missão de informar.

Mas eis que um autocarro cheio de turistas alemães se desgoverna na Madeira e se despenha ladeira abaixo. O balanço é trágico: numerosos feridos e 29 mortos. Parece que um é português, mas ninguém quer saber. O que alarma às autoridades, o que comove os repórteres, são os alemães. O nosso presidente da República apronta-se para seguir imediatamente para o local do acidente. Fala comovido no futuro da Madeira. Afinal a viajem é adiada para hoje, para não estorvar. Fala o ministro dos Negócios Estrangeiros. Fala o Presidente do Governo Regional. Afinal, acidentes destes, com turistas, podem acontecer em qualquer parte do mundo.

Moços e moças de microfone na mão fazem render o peixe, do gasóleo no cont’nente e do desastre na Madeira.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com