O Mefisto ataca na Áustria

Nota à la Minuta
Segunda-feira, 20 Maio 2019
O Mefisto ataca na Áustria
  • Alberto Magalhães

 

 

É já longínquo passado o tempo em que o diabo deambulava pela Terra, em busca de almas prontas a perder-se, a troco de riquezas e prazeres imerecidos e pecaminosos. O mito do doutor Fausto, que terá vendido a alma a Mefistófeles, por sede de conhecimento, podendo encarnar assim a figura, moderna e ambivalente, do cientista sem princípios éticos, não se compara, apesar de tudo, às histórias mais comezinhas e rasteiras de quem se vende por riqueza e poder ilegítimos.

Ora, se mesmo nesses tempos, em que a crença dominante previa castigo eterno para malfeitorias de prazo limitado, não era raro encontrar almas vendidas à mentira e à corrupção, imagine-se agora, que as chamas infernais deixaram de constar do catecismo, o que pr’aí vai de negócios com um Demo muito menos assustador e, ainda por cima, perito nas modernas técnicas de lavagem cerebral.

Veja-se o vice-chanceler da Áustria, líder de um partido ultra-nacionalista, apanhado num vídeo de 2017, a propôr-se vender a alma a uma suposta sobrinha de um oligarca russo, a troco do financiamento do seu partido. Claro que, apesar do vídeo ser ilegal e não servir de prova em tribunal (digo eu), o pindérico Fausto teve de se demitir, invocando dois motivos extraordinariamente convincentes: de férias em Ibiza, estava completamente alcoolizado e a sereia russa deu-lhe um irresistível desejo de lhe fazer todas as vontades.

Que podemos concluir desta confissão? Que a sedutora, ou era uma antiga vedeta do KGB, treinada para seduzir papalvos ocidentais, ou era uma versão transsexual do Mefisto, ou ambas as coisas.