O Presidente interino da Venezuela

Nota à la Minuta
Quinta-feira, 24 Janeiro 2019
O Presidente interino da Venezuela
  • Alberto Magalhães

 

 

Mamadou Ba, o homem que queria derrubar a estátua do Padre António Vieira, o anti-racista mais racista que ser possa, tem de esperar. Os banqueiros do povo que iam dando cabo da CGD, ao emprestarem milhões ao desbarato, a mando de políticos irresponsáveis ou venais, têm de aguardar vez.

Hoje, só posso falar do sofrimento e da revolta do povo venezuelano, que ontem saiu à rua por todo o país, e da lucidez e coragem de Juan Guaidó, jovem presidente da Assembleia Nacional legitimamente eleita, que está a conseguir unir as oposições ao ilegítimo tirano que de Maduro se arrisca a cair de podre. Ao autoproclamar-se presidente interino da Venezuela, perante uma imensa multidão; mais importante, ao fazer os manifestantes jurarem consigo lutar por restabelecer a Constituição do país, Juan Guaidó pode ter iniciado a queda do regime insensato que há anos desgoverna o povo venezuelano.

Com o seu gesto, provocou uma reacção internacional potencialmente imparável, com os Estados Unidos, o Canadá, o Brasil, a Colômbia, o Perú, o Paraguai, o Equador, o Chile e a Costa Rica, a reconhecê-lo como presidente interino.

O nosso ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou ontem que a União Europeia também considera urgente a necessidade de convocar eleições livres, para que a Venezuela possa sair do impasse político em que se encontra. Augusto Santos Silva afirmou ainda que o regime de Maduro “tem de perceber que a sua hora acabou”.

Oxalá perceba e não estrebuche de forma assassina. Para já, quer expulsar o embaixador americano. Os EUA responderam que ele já não tem legitimidade para isso.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com