Os massacres e o trumpzinho que há em nós

Terça-feira, 27 Fevereiro 2018
Os massacres e o trumpzinho que há em nós

 

 

Dois massacres ocorreram nas últimas semanas com as sempre mais chocantes vítimas de crianças e jovens, os que vêem a vida interrompida antes de ela acontecer na sua força máxima. Com quase tudo por viver. Se a uns a promessa desse resto poderia prever-se relativamente risonha nas terras da Florida, para outros em Goutha, na Síria, o futuro adivinhava-se duro e difícil. À frente destes massacres estão várias pessoas culpadas, a vários níveis e com impactos de responsabilidade diferentes, todos com o mesmo resultado: a morte. A não natural, a provocada a quem não a procura, distante da autodeterminação a que o ser humano recorre quando faz uso das suas faculdades intelectuais.

A solução política na América do 45 da Casa Branca é a bélica: fight fire with fire. Continuar a alimentar o negócio das armas particulares que propiciam as todas outras condições que levam um louco a cometer um massacre, armando mais gente ainda, sempre com a desculpa de que será legítima a defesa. É sempre, legítima. Se não usar a mesma atitude criminosa de quem ataca. É isso que faz toda a diferença, também. Não a resposta instintiva ao ataque, que nos lembra a nossa proximidade com o mundo natural, mas essa previsibilidade de corresponder à violência com violência antes de qualquer outra medida.

Nos arredores da bíblica Damasco morreram os que não puderam atravessar o Mediterrâneo em botes de borracha. Os que não enchem campos de refugiados em fronteiras de cenário caótico, mas onde pelo menos não há essas bombas-barril, ilegais até na imoralidade que há no mata-mata de uma guerra. Os que muitos ocidentais têm dificuldade em receber como vizinhos. Os que a muitos, sim muitos, portugueses descansa que ainda não tenham chegado em maior número ao nosso país. Este país de gente que desde o século passado sai em legítima defesa para o estrangeiro e que fica profundamente reconhecida a quem, lá fora, os trata bem. Não adianta chorar os massacrados da Síria e depois não estar disponível para os receber. E às vezes mesmo sabendo como essas entradas aqui, na ponta mais sudoeste da Europa, são tão acompanhadas, devidamente enquadradas por instituições que ainda conseguem dar conta do fluxo de migração fugida dos massacres. E os que criticam quem pensa que a união dos europeus também existe para melhor servir o resto da Humanidade.

Há entre nós muitos trumpzinhos que dormiriam muito melhor com um muro à volta de si, contra o que os pode ameaçar. Muitos trumpzinhos que até em voz alta e para quem consiga que oiçam – na esquina, no café, no táxi, no autocarro, no cabeleireiro – desejariam que as instituições e os Estados agissem como o compadre que corre a sachada os que lhe batem à porta, nem que seja para pedir comida porque afinal até podia não ser para isso. E aplaudem os que, mesmo com óbvias intenções longe dessas que apregoam, prometem que uma vez no poder os livrariam de toda essa corja de gente de raça difícil.

Na Assembleia da República o retrovisor tem sido um equipamento muito sugerido para ser usado de modo a que os políticos se revejam nas suas políticas. Cá fora seria bom um simples espelho, ao lado televisão, para que quando se derramassem as lágrimas perante os massacres lá longe se percebesse a hipocrisia de ousar dizer algumas “coisas”. Que essas imagens nos sejam úteis, e que seja de dignidade da espécie humana que se fale.

Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com