Os paradoxos por vezes acontecem!

Crónica de Opinião
Quarta-feira, 06 Outubro 2021
Os paradoxos por vezes acontecem!
  • José Policarpo

Não posso deixar de me associar à vitória no campeonato do mundo de futsal protagonizada pela seleção portuguesa. Uma só palavra: extraordinária!

Num país em que os recursos são canalizados, a maioria das vezes, para aqueles que frequentam os corredores do poder, conquistas como esta são de enaltecer e cumprimentar os verdadeiros responsáveis: federação portuguesa de futebol, equipa técnica e, obviamente, os jogadores.

Porém, há uma pergunta que deverá ser colocada: porque é que estes feitos não são replicados noutros setores da atividade, quer desportiva, quer nos outros setores da vida em sociedade?

Na verdade, a dívida pública portuguesa é uma das maiores do mundo. O crescimento português dos últimos vinte anos é dos mais baixos da zona euro. Temos dos salários médios mais baixos da união europeia e a carga fiscal é uma das mais altas da união europeia, tornando as empresas portuguesas menos competitivas neste mundo cada vez mais globalizado.

Ora, se queremos rivalizar com as maiores potências, só nos resta um caminho: deixar de acreditar que o dinheiro vindo da europa servirá para resolver os nossos problemas como nos querem fazer crer os partidos da esquerda.

Por isso, é imperativo que cresçamos através da produção do nosso tecido empresarial e, para tanto, temos que criar condições para que isso aconteça.

O dinheiro dos fundos não resolveu e não resolverá a nossa baixa produtividade, porque os juros da dívida a qualquer momento afastar-se-ão do zero e passarão para 4, 5, 6 ou mais por cento. E nesse caso seremos intervencionados pelos credores e os direitos entretanto ganhos, perder-se-ão como sucedera no tempo da TROIKA. Por isso, só nos resta mudar de vida, ou, então, a vida encarregar-se-á de nos mudar.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com