Outra vez o SNS

Crónica de Opinião
Quinta-feira, 12 Janeiro 2023
Outra vez o SNS
  • Sara Fernandes

Há temas que já cansam. Porquê insistir, então, em falar do SNS? Já ninguém quer ouvir, o que querem as pessoas é consultas, tratamentos, apoio e aconselhamento médico. “Deixem-se de política e tratem do que interessa!!

Com esta frase terminam todas as conversas quando os problemas são velhos, graves e lamentáveis, mas nunca até agora resolvidos. Porque insisto no tema? Porque sei que estes desabafos são de desespero, são de quem precisa e não tem como resolver, são de quem anda a ser enganado há muitos anos por um tipo de políticos que repete promessas extraordinárias de tudo mudar para tudo ficar na mesma.

Sigamos o esquema: O que está mal? Quais as alternativas? Quais as escolhas? Quais as consequências das escolhas?

Precisamos de aumentar a resposta: consultas, exames médicos e tratamentos. No SNS, quando há resposta no SNS, esperamos tempos infindáveis e, por vezes, não somos tratados com simpatia. Que se pode fazer?

  1. Pode o Estado contratar serviços externos e pagar a empresas privadas.

  2. Pode o Estado proporcionar melhores serviços, contratando mais profissionais de saúde e construindo melhores infraestruturas de apoio.

As escolhas, pelos Governos PS, PSD e CDS, têm sido, sobretudo, de recurso aos privados. Opções ideológicas mascaradas de mais operacionalidade e melhor gestão, totalmente negadas pelos estudos sérios nestas matérias.

Não é que, em casos extraordinários, não se deva recorrer a esta modalidade, mas esta escolha deverá ser sempre acompanhada de medidas que colmatem as falhas no SNS que as originaram. E isso não é feito, antes pelo contrário, assim que se recorre uma vez ao privado, esse recurso torna-se permanente e aniquila-se o que, nessa área, ainda existe de resposta pública.

A opção desta maioria absoluta pelos privados é indesmentível quando apenas 60% do Orçamento do Estado na área da Saúde fica no público.

A falta de médicos e outros profissionais de saúde é evidente e só negada pela deturpação dos números, misturando público e privado, ou até contabilizando os que já se aposentaram ou já não exercem actividade clínica. E porque faltam médicos e enfermeiros? Porque é inegável a diminuição das condições de trabalho, carreira e remuneração destes profissionais, empurrando os jovens recém-formados, e os não tão jovens também, para as empresas privadas que em nada contribuíram para a sua formação e os recebem fresquinhos e altamente qualificados para servir os lucros dessas empresas e não uma população que tanto os necessita.

Não há que enganar: uma empresa privada tem por objectivo o lucro e não uma melhor prestação de serviços, fará tantos exames quantos os que puderem ser pagos e não os que são realmente necessários. E não tratará qualquer doente, os tratamentos mais caros ficam sempre para o público. As empresas privadas de saúde não farão prevenção e promoção da saúde, pois é da doença que vivem. E os Seguros, tão aconselhados pelos nossos governantes, como se fossem alternativa para alguém? Quem nunca ouviu falar das cartinhas de fim de plafond com que se despedem os doentes mais dispendiosos e se enviam, não sem recomendações, para o SNS? É que é sem apelo nem agravo, fim de plafond é fim de cuidados e fim de simpatia.

E a iniciativa privada deve ser travada? Não é disso que se trata, trata-se de usar os recursos do Estado para resolver os problemas existentes e não para dar lucros a empresas que não os resolvem e são autênticos sorvedouros dos dinheiros públicos.

Iniciativa privada com dinheiro do Estado é que me parece inadmissível.

O SNS está condenado? Se continuar esta opção, daqui a uns anos não teremos certamente o mesmo Serviço, aquele que nos colocou nas melhores posições do mundo no que concerne a mortalidade infantil, que tem das mais altas taxas de vacinação, aquele que proporciona tratamentos inovadores, a todos, e não só aos que podem.

Para travar este caminho, a maioria absoluta que nos desgoverna é que tem de ser travada, mas não para ser substituída por outros semelhantes, que só falam de mudança para que tudo fique, afinal, na mesma.

Até para a semana!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com