Pobre Angola

Nota à la minuta
Sexta-feira, 06 Maio 2022
Pobre Angola
  • Alberto Magalhães

Afirma o Público de hoje que quase oito em cada dez angolanos passaram fome em 2021. Citando o Afrobarómetro, o jornal afirma que, se em 2019, 35% da população vivia na pobreza extrema, esse número saltou para 44% em 2021, quase metade da população “frequentemente sem comida suficiente, água potável, assistência médica, combustível para cozinhar e rendimento financeiro”.

É extraordinário que Angola tenha chegado, no ano passado, a produzir 40% dos alimentos que consome, continuando a importar os restantes 60%. Quase 50 anos depois da independência, a culpa continua a ser, certamente, da seca e das cheias (alterações climáticas aziagas), do colonialismo português, do imperialismo americano e dos seus lacaios da UNITA, e, em geral, do homem branco, heterossexual e capitalista.

Bom, a situação seria, certamente, muito pior não fosse a ajuda amiga de russos e chineses e a sábia governação do MPLA. Daí ser compreensível a dificuldade sentida por Luanda em criticar Putin por invadir a Ucrânia. Estou certo de que a situação em Moçambique não será muito diferente.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com