Quem deve tirar lições dos maus exemplos?

Nota à la Minuta
Terça-feira, 01 Junho 2021
Quem deve tirar lições dos maus exemplos?
  • Alberto Magalhães

 

No princípio, a desculpa era a novidade da coisa. Ninguém estava a salvo de cometer erros numa situação tão nova, tão imprevista e imprevisível. Os peritos em Saúde Pública, com a perita-DGS à cabeça, insistiram que o vírus era benigno e não chegava cá. A seguir, recusaram-se, durante meses, a admitir a utilidade do uso de máscara e tudo fizeram para dissuadir-nos de a usar.

Depois, quando o bom senso aconselhou o fecho das escolas, queriam-nas abertas. Mas quando o bom senso aconselhou abri-las, insistiram que se mantivessem fechadas. E de novo, vice-versa. Nos transportes públicos não havia perigo, mas havia que fechar os calçadões à beira-mar. Puseram supermercados a fechar mais cedo e a provocar filas desnecessárias, restaurantes a encerrar à hora do almoço, como se de gozo se tratasse. Concelhos com 10, ou 20 habitantes por km2, foram – e ainda são – tratados como se fossem cidades com centenas de milhares de almas concentradas.

O que é certo, é que os peritos que têm as preferências governamentais, talvez porque apelam ao medo e o Governo tem medo de repetir o Natal, são conselheiros unidimensionais e autoritários, para um executivo cada vez mais incapaz de manter a coerência das medidas, prestes a ser condenado, por culpa própria, a falar para o boneco.

Todos temos que tirar lições do que se passou no Porto” disse António Costa e a ministra da Saúde repetiu. Todos? Se me desafiam eu digo: estamos mesmo em Estado de Calamidade! Que outra lição tirar das declarações da Dr.ª Graça Freitas, que teve o desplante de considerar a violação das regras sanitárias limitada a uns quantos adeptos e não à cidade do Porto no seu conjunto? Já o S. João…ou o Santo António em Lisboa, isso sim, são coisa perigosa… e então a praia… e o teatro?…

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com