Rafael Marques condecorado em Angola

Nota à la Minuta
Sexta-feira, 08 Novembro 2019
Rafael Marques condecorado em Angola
  • Alberto Magalhães

 

 

Dando mais um sinal de que, sob a sua presidência, Angola pode estar no bom caminho, João Lourenço condecorou ontem, triplamente, o jornalista Rafael Marques, atribuindo-lhe a Ordem da Independência, a Ordem de Mérito Civil e a Medalha de Bravura e do Mérito Cívico e Social.

Rafael Marques foi, durante anos, o rosto mais visível na denúncia da cleptocracia angolana encabeçada pelo presidente José Eduardo dos Santos e sua família. A sua luta contra a corrupção e os seus ataques ao nepotismo e à oligarquia partidária e militar, estenderam-se por mais de vinte anos e causaram-lhe muitos dissabores. Em 2002, foi mesmo condenado a 6 meses de prisão, após a publicação do artigo “O baton da ditadura”. No texto, responsabilizava Santos pelo “descalabro das instituições do Estado”, acusando-o de promover a incompetência, o peculato e a corrupção como valores sociais e políticos.

Em 2011, publica, na editora Tinta da China, o livro Diamantes de Sangue – Corrupção e Tortura em Angola, sobre a exploração das riquezas da Lunda Norte, e é processado, primeiro pela Sociedade Mineira do Cuango e, depois, por sete generais – em defesa da honra do Presidente.

João Lourenço, ontem, destacou o papel de quem “desde muito cedo, teve a coragem de se bater contra a corrupção crescente que acabou por se enraizar” em Angola. Ficou-lhe bem.