Rendimentos do trabalho em perda

Crónica de Opinião
Sexta-feira, 11 Novembro 2022
Rendimentos do trabalho em perda
  • Rui Mendes

 

 

A perda de rendimentos do trabalho pode acontecer por variadíssimas formas, uma delas resulta da inflação, criando um nível geral de apreensão nas pessoas. É o que assistimos com a subida geral dos preços e com os salários a não crescerem ao ritmo da inflação.

O Governo estimou que a taxa de inflação para 2022 se situaria em 7,4%, estimativa abaixo em 0,3% da previsão do Conselho de Finanças Públicas, que estima que a inflação se situe, em 2022, em 7,7%.

A taxa de referência utilizada para a compensação / atualização salarial foi aquela que era a previsão de inflação para 2022 estimada pelo Executivo. Digo era, porque, mês após mês, as taxas têm superado as previsões, o que necessariamente irá refletir-se numa taxa anual que irá superar aquelas estimativas, podendo inclusive ultrapassar os 8%.

Não é de admirar que o Executivo tenha optado por prever uma taxa de inflação de 7,4%, mais baixa do que aquelas que foram estimadas pelo Conselho de Finanças Públicas e pelo Banco de Portugal (BdP), que previu uma inflação de 7,8%. Está no ADN deste Executivo ser otimista e isso é transportado para todas as suas previsões.

Em sede de negociação para a definição de aumentos salariais fez toda a diferença, estabeleceram-se percentagens de aumento com o pressuposto de uma inflação anual de 7,4% que, tudo o indica, irá ser ultrapassada.

As perdas de poder de compra serão mais sentidas, mesmo para aqueles em que se prevê aumentos alinhados com uma taxa de inflação de 7,4%, porque essa percentagem deverá ser superada.

Bem sabemos que o orçamento ainda não está aprovado na globalidade, estando prevista a sua votação para 25 de novembro. Contudo, no ano de 2023 irá haver uma penalização séria dos rendimentos do trabalho, talvez com impactos diferentes, porque tem sido opção deste Executivo, ao longo dos anos, atualizar os salários aplicando taxas diferenciadas.

É certo que na generalidade o crescimento dos salários não irá acompanhar a inflação de 2022, pelo que é certo que o ano de 2023 será mais difícil que 2022, para mais porque as previsões de inflação do Governo para 2023 continuam a ser verdadeiramente otimistas.

 

 

Até para a semana

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com