Renovação na continuidade

Crónica de Opinião
Quarta-feira, 28 Dezembro 2022
Renovação na continuidade
  • Maria Paula Pita

 

As últimas semanas de 2022 são uma síntese do que se passou durante o ano. Em Évora, no país e no mundo. 

Uma Europa rica e acantonada nas suas muralhas, varrida pela inflação decorrente da subida preços dos combustíveis e matérias-primas, onde a classe média desaparece e os pobres são mais  pobres, mantém-se, mesmo assim, como um farol para as populações flageladas de outros cantos do mundo.

Um país que continua igual a si próprio. Um líder que nos últimos tempos tem mostrado outra face, contrastante com a boa disposição  e bonacherirismo que apresentava. Não se limita a comer as palavras, mas devora a oposição e todos os que lhe fazem frente.  A forma como se pronunciou sobre os seus opositores, desde os “queques” aos que não se importam com a sua garagem, não augura nada de bom. Desvalorizar, como fez, o sofrimento das populações das margens do Tejo, mostra total desdém pela coisa pública, esquecendo-se que o governante está ali para cuidar do povo. Também o desprezo que mostra por quem valoriza as “leviandades” dos seus “pupilos”, mais uma da Secretária de Estado do Tesouro, cuja indemnização milionária numa empresa endividada até pode ser legal, mas duvidosa em termos éticos e morais, mostra o seu caráter. O poder embriaga e o nosso PM mostra uma presunção e insolência que, se estivéssemos no tempo da Antiga Grécia, terminaria punida. Também o  Presidente da República parece empenhado em desperdiçar o capital político amealhado, comentando tudo e todos, muitas vezes de forma desastrada.

Em Évora, as últimas chuvas agravaram o estado caótico da cidade, que mais parece, em alguns sítios, zonas de guerra, com crateras enormes nas estradas, a que acresce vandalismo, pichagens, falta de iluminação e sujidade. O MCE, na Assembleia Municipal de setembro, apresentou uma proposta para a criação de um grupo de trabalho temporário para a alteração ao Regulamento do Conselho Municipal de Segurança, de forma a acomodar o modelo de policiamento de proximidade, através da celebração de um Contrato Local de Segurança. Proposta que não foi rejeitada por TODOS os partidos representados na AME, porque o MCE retirou-a sob promessa do Senhor Presidente da CME reunir o Conselho de Segurança num prazo máximo de quinze dias. Três meses depois, e novamente graças ao MCE, na pessoa da sua vereadora eleita, o Conselho Municipal de Segurança desencalhou, reuniu, e espera-se nova reunião com o objetivo da mudança do famigerado Regulamento para poder alargar as suas competências, de entre as quais, destacamos, o PROGRAMA DE POLICIAMENTO DE PROXIMIDADE, da viabilidade da Videovigilância no CH, a restrição de horários de funcionamento a determinados estabelecimentos de restauração e bebidas.

O Orçamento Municipal para 2023 ainda não está pronto. Aguarda-se a redação final. Já sabemos que haverá uma redução de Impostos Municipais no valor de cerca meio milhão de euros. Mas, atendendo ao que se perspetiva para o ano de 2023, é preciso mais. As famílias, não só as mais necessitadas, precisam de apoio. A classe média está em risco. Os salários que não acompanham a inflação e os juros do crédito da habitação que não param de subir, estrangulam quem trabalha e paga impostos.

 

Desejo-vos um Excelente Ano de 2023. 

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com