Ser patriota significa dar o melhor de nós!

Crónica de Opinião
Quarta-feira, 26 Abril 2017
Ser patriota significa dar o melhor de nós!
  • José Policarpo

 

 

Ontem fez quarenta e três anos que o país com a ajuda estoica e inestimável dos militares, colocou fim a quarenta e oito anos de ditadura. O regime deposto era autoritário e absolutamente caduco. Só a título de exemplo: a mortalidade infantil era elevadíssima, como, também, a taxa de alfabetização era muito baixa. A escolaridade obrigatória era a quarta classe. Para os mais novos que à data ainda não eram nascidos, representaria o 4.º ano do primeiro ciclo do ensino básico. Hoje, no entanto, é o 12.º ano.

Na verdade, o regime democrático trouxe progressos na saúde e na educação muito consideráveis e a adesão à então CEE, comunidade económica europeia, não fora alheia a estes desideratos. Os fundos estruturais concedidos pela U.E. contribuíram inegavelmente para o bem-estar geral dos portugueses. Porém, muito ficou por fazer, e, por isso, muito tem que ser feito e realizado para que se possa falar com inteira propriedade, e, afirmar que, a revolução de abril, valeu a pena.

Em todo caso, não podemos aceitar que no nosso país existam 25% dos jovens que não conseguem arranjar emprego. Também não é aceitável, pelo menos para mim, que cerca de 25% dos portugueses viva num estado de pobreza ou em risco de exclusão social.

Como também não é aceitável que a corrupção tenha a expressão que tem no nosso país, pois o significado desta realidade, entre outros aspetos, é a perda de recursos financeiros que são vitais para que o país tenha um estado social muito presente e mais eficaz do que aquele que tem atualmente.

Ora, as proclamações de patriotismo “atiradas para o vento” levaram-nos a três bancarrotas e esta realidade não deverá ser esquecida por nenhum português. Ser patriota é lutar todos os dias para que existam melhores condições de vida para todos. E, para isso, os portugueses terão que repudiar a cunha, o facilitismo, o chico espertismos, a incompetência e a corrupção. Caso contrário, continuaremos a ter um país com uma das maiores dívidas públicas do mundo e, em resultado disto, para além do enorme valor a pagar pelo serviço da dívida, juros e encargos, estaremos sujeitos a uma nova intervenção externa.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com