Simetria e Complementaridade nas Relações de Casal

Nota à la Minuta
Terça-feira, 12 Março 2019
Simetria e Complementaridade nas Relações de Casal
  • Alberto Magalhães

 

 

Uma das primeiras coisas que se aprendem sobre relações de casal é que existem dois modos básicos de interacção entre duas pessoas: o simétrico e o complementar. Uma interacção diz-se simétrica quando em termos de poder está equilibrada, por exemplo, quando uma decisão é tomada por consenso ou uma tarefa é partilhada equitativamente.

Pelo contrário, uma interacção diz-se complementar quando há uma repartição de tarefas de acordo com as habilidades de cada um, ou com os papéis sociais atribuídos a cada um pela cultura, e com uma distribuição de poder adequada a cada situação.

Nas relações equilibradas, os casais funcionam alternadamente em modo simétrico e complementar, umas vezes partilhando tarefas e decisões, outras vezes dando-se um ao outro o poder de decidir.

Mas atenção, quer a simetria quer a complementaridade têm a sua patologia. A Escalada Simétrica é a patologia da igualdade sem consenso, ou melhor, da luta de poder mascarada de igualdade: – Nós somos iguais, mas eu sou mais igual que tu. Não, eu é que sou mais igual que tu. Etc., etc., etc…

Quanto à Complementaridade Rígida, é uma patologia bem diferente. No melhor dos casos, temos a divisão de tarefas absoluta, como quando os homens não pegavam nos filhos bebés e não sabiam estrelar um ovo e as mulheres não tinham carta de condução. No pior dos casos, teremos o poder todo de um dos lados da relação, com um membro do casal dominante e controlador e o outro, ao contrário, dependente e submisso.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com