Um futuro adiado

Crónica de Opinião
Quarta-feira, 28 Novembro 2018
Um futuro adiado
  • José Policarpo

 

 

A nossa cidade, a cidade de Évora, tem potencialidades ímpares no panorama nacional. O seu património é muito rico e diversificado. Desde o paleolítico há mais de 10 mil anos, aos romanos há 2000 mil anos e até à influência árabe há 1300 anos. O concelho e a cidade de Évora comportam bens e vestígios que os identificam com estas civilizações.

O nosso legado é este e é incomensurável. Porque não se mede, nem em valor, nem importância. Porém, estamos nós enquanto sociedade, os eborenses, à altura desta importância? Às vezes penso quem sim, mas a maior parte das vezes, acho que não. Os desafios que nos se colocam são muitos e são ao nível da competitividade. O objetivo primeiro será ao nível interno, mas o contexto ibérico não é de todo despiciendo.

A cidade de Évora tem vários equipamentos públicos que lhe permite potenciar uma maior competitividade. Estou a lembrar-me da Arena, do Teatro Garcia de Resende, do mercado municipal, das piscinas públicas e do parque industrial. Contudo, há muitas outras que não existem e sem as quais dificilmente nos tronaremos numa cidade e concelho mais atrativos para as empresas e consequentemente para as pessoas.

Neste sentido, deixo aqui um desafio aos poderes públicos aqui existentes, mormente, à Camara municipal: A construção da variante nascente de há muito, muito, planeada. É inadmissível que os veículos pesados de mercadorias circulem dentro da cidade principalmente, entre dois hospitais, como é o caso dos hospitais do Esprito do Santo e do Patrocínio.

Ora, a existência desta infraestrutura conferirá mais competitividade à cidade de Évora, sobretudo, porque a tornará mais segura. Restarão dúvidas?

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com