Uma falsa sensação de segurança

Nota à la Minuta
Quarta-feira, 25 Março 2020
Uma falsa sensação de segurança
  • Alberto Magalhães

 

 

Humana, demasiado humana, a sensação de que somos especiais face aos perigos, de que o que acontece aos outros, dificilmente nos tocará a nós. A bem dizer, esta fé de cada um na sua própria imunidade não afecta todos por igual. E ainda bem. A sociedade precisa de todos, dos que se arriscam e dos que se resguardam. Mas, é preciso dizê-lo, os que arriscam podem ser vítimas de uma falsa sensação de segurança.

Em meados de Janeiro, a responsável pela Direcção Geral da Saúde, interrogada por jornalistas sobre um novo vírus, surgido na China, garantia-lhes que a probabilidade dele chegar a Portugal era reduzidíssima. Poderemos dizer que a Dr.ª Graça Freitas transmitiu nessa altura, ao país e aos seus dirigentes, uma falsa sensação de segurança? É que, um mês e meio depois, foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19, em Portugal.

Nessa altura, mantiveram-se as fronteiras escancaradas, porque fronteiras não param vírus e fechá-las dava-nos uma falsa sensação de segurança. Mas como as autoridades já sofriam, elas próprias e gravemente, desse mal, não se compraram a tempo testes de qualidade, ventiladores, máscaras, luvas e outros equipamentos de protecção para os profissionais de saúde, os funcionários de lares, de IPSSs várias e das forças de segurança. A Linha de Saúde 24 não foi reforçada, professores regressados de Itália foram aconselhados a ir dar aulas, doentes internados com pneumonias não foram testados, etc., etc. Tudo porque havia, nas nossas autoridades, sanitárias e políticas, uma infecção geral de falsa sensação de segurança.

Ontem, ouvi o Presidente da República dizer que fazer ‘demasiados’ testes nos pode dar uma falsa sensação de segurança. Tudo isto, confesso, me transmitiu uma verdadeira sensação de insegurança.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com