Viva Las Vegas?

Crónica de Opinião
Terça-feira, 06 Novembro 2018
Viva Las Vegas?
  • Cláudia Sousa Pereira

 

 

Já fui a Las Vegas. É só lá volto se me oferecerem a viagem e a estadia em hotel de muitas estrelas, que “a cavalo dado não se olha o dente”. Percebemos nos últimos tempos que, até na cultura pop contemporânea, também a tradição já não é o que era, e ainda bem: o que se passa em Vegas, já não fica em Vegas. A piada é óbvia. Tão óbvia como devia ser a presunção de inocência em todas, repito todas, as suspeições de crimes não confessados, ou sem terem sido apanhados os criminosos em flagrante, e estejam ainda por julgar institucionalmente. Sejam os suspeitos gente comum, políticos, militares, religiosos ou estrelas de popularidades várias.

O caso de Ronaldo em Las Vegas deixa-me sobretudo incomodada com os recuos em dois passos por cada passo que é dado nas conquistas civilizacionais. Conquistas que implicam formas de pensar, e agir em conformidade, no que diz respeito a posturas culturais, entendidas como as que fazem parte dos costumes. Quando a coragem dos fundadores do movimento #metoo abria caminho para acabar com um perpétuo exercício do abuso sexual como forma de exercício de poderes vários, condenando ao silêncio quem só perderia se denunciasse, já estamos a equacionar situações em que o oportunismo pode parecer legitimar-se. E onde se começa a desconfiar de que denunciar, justa ou injustamente (isso ver-se-á no final também do caso em concreto), pode parecer uma fonte de rendimento. Não há aqui pôr-se do lado do homem ou da mulher, do rico ou do pobre, da estrela ou do desconhecido.

Já agora, sendo defensora da igualdade de género, não me considero feminista, até porque não gosto do machismo. Talvez consiga ser humanista, fazendo os meus juízos sem preconceitos contra homens, mulheres, animais ou plantas. E para não esquecer os elementos da outra classificação que falta ao estilo de Lineu, já agora também, não me incomoda nada o rock and roll. Espero que, no final deste caso que mexeu com um símbolo português, tudo se resolva mesmo. Na certeza, porém, que, chegados a este ponto, entristecerei mais ainda, qualquer que seja o resultado. Como se diz por terras daqui: já está o baile armado.

Até para a semana.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com