Évora: Centro comercial nas Portas de Avis só avança se houver consenso

Évora: Centro comercial nas Portas de Avis só avança se houver consenso

Sexta-feira, 15 Junho 2018
Alentejo

A gestão CDU da Câmara de Évora mantém a intenção de vender um terreno municipal, junto às Portas de Avis, para a construção de um centro comercial, mas quer “um amplo consenso” sobre o projeto.

O tema foi discutido na reunião pública da passada segunda-feira, com a maioria CDU a apresentar alterações ao caderno de encargos e ao concurso público, mas estas não foram votado.

“Não houve decisão da câmara”, afirma à DianaFM o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, indicando que os vereadores da oposição levantaram questão e dúvidas sobre o processo.

“Considerámos que não havia condições para se pôr a votação, uma vez que só avançaremos com o processo se houver um grande consenso”, sublinha.

O autarca entende que o assunto “exige um consenso amplo”, por considerar “é um projeto com impacto significativo na cidade e que tem influência a vários níveis, desde o centro histórico até à componente económica e comercial”.

“Disponibilizamo-nos para voltar a abrir o diálogo com as forças políticas” sobre a viabilização ou não de um empreendimento comercial nas Portas de Avis, realça.

Pinto de Sá lembra que o plano de urbanização, aprovado pela anterior gestão socialista da câmara, prevê para aquele terreno um zona comercial.

“No mandato anterior fizemos uma discussão aprofundada”, refere, indicando que a deliberação tomada pela câmara e assembleia municipal “continua válida”.

“Sabemos que esta é uma matéria polémica, que, até dentro de cada partido político, há até posições diferenciadas, apesar depois da posição final poder ser uma ou outra”, observa.

O presidente da Câmara de Évora revela que, ao longo do processo, o município teve conhecimento da existência de seis potenciais investidores.

PS e PSD já defenderam que nos terrenos municipais situados nas Portas de Avis deve nascer um parque da cidade.

A Câmara de Évora tentou, há quase dois anos, vender este terreno municipal, mas o concurso público ficou deserto.

Comments are closed.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com